Posts Tagged ‘AGRONEGÓCIO’

IBGE: Produção agrícola de São Desidério, na Bahia foi a que mais cresceu no Brasil

quinta-feira, setembro 5th, 2019

A publicação Produção Agrícola Municipal 2018 (PAM 2018), divulgada nesta quinta-feira, dia 5/9, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), aponta que o município que mais se destacou no país no ano de 2018 em termos de valor de produção foi São Desidério, na Bahia, beneficiado pelas condições climáticas favoráveis da Região Oeste.

De acordo com o IBGE, o valor de produção é o mesmo que valor bruto de produção. Eles pegam o chamado “preço de porteira”, que é o preço livre de fretes e impostos, e multiplicam pelo total produzido. O resultado é o valor de produção.

A cidade baiana teve R$ 3,6 bilhões em valor de produção, aumento de 54,4% em comparação com 2017. A principal cultura local é a soja, com 1,6 milhão de toneladas e valor de produção de R$ 1,8 bilhão.

O gerente de Agricultura do IBGE, engenheiro agrônomo Carlos Alfredo, destacou em entrevista à Agência Brasil que São Desidério também é grande produtor de milho e de algodão herbáceo, tendo produzido 513,3 mil toneladas de algodão herbáceo (+75,4%), com valor de produção de R$ 1,5 bilhão; e 558,1 mil toneladas de milho (+45%), com valor de produção de R$ 281,7 milhões. Alfredo lembrou que o algodão é um produto que tem alto valor agregado. Isso fez com que o município, somando todas as culturas, se destacasse como o primeiro do Brasil. 

A cidade não sofreu os efeitos das condições climáticas desfavoráveis para a produção de milho, como ocorreu em outras regiões. “Em São Desidério, eles não tiveram problemas com seca”.

São Desidério desbancou o município mato-grossense de Sorriso, que caiu da primeira colocação para a terceira no ‘ranking’ das maiores economias agrícolas brasileiras, com valor de produção de R$ 3,3 bilhões (alta de 0,7% sobre 2017). O principal produto também é a soja, com 2,2 milhões de toneladas e valor de produção de R$ 2 bilhões.

O segundo posto como maior produtor nacional foi mantido pelo município de Sapezal, também em Mato Grosso, com valor de produção de R$ 3,3 bilhões, expansão de 28% em relação a 2017. O principal produto local é o algodão herbáceo, com quantidade de 756,9 mil toneladas e valor de produção de R$ 1,8 bilhão, em 2018. “O preço alto fez com que Sapezal se mantivesse no segundo lugar”, comentou o gerente do IBGE.

Estados

Com relação aos estados, a pesquisa mostra que São Paulo se manteve na liderança do país em termos de valor da produção, com 15,5% de participação nacional (contra 16,8% em 2017), seguido do Mato Grosso, que subiu de 13,7% para 14,6% o percentual de participação. São Paulo se destaca na produção de cana e laranja, que têm alto valor agregado. “É o estado que detém 55% da produção de cana-de-açúcar, com mais de 80% da produção de laranja. Tem muitas culturas que são muito concentradas no estado de São Paulo”, disse Alfredo.

Já em Mato Grosso, o principal produto é a soja, seguida do milho e do algodão. O estado é o maior produtor dessas três culturas.

Grandes regiões

A análise por grandes regiões nacionais mostra predomínio da soja em todo o país, à exceção da Região Sudeste, onde a relação dos principais produtos é liderada pela cana-de-açúcar, seguida pelo café arábica, soja, laranja e milho. O valor de produção da região atingiu no ano passado R$ 95,8 bilhões. A unidade com maior valor de produção é São Paulo (R$ 53,1 bilhões), enquanto o município de Itapeva (SP) apresentou o maior valor de produção (R$ 977,5 milhões).

Já na Região Centro-Oeste, a soja liderou, seguida de milho, cana-de-açúcar, algodão herbáceo e feijão. O valor de produção somou R$ 95,9 bilhões em 2018, com destaque para Mato Grosso, com R$ 50,2 bilhões. Sapezal é o município com maior valor de produção regional (R$ 3,3 bilhões).

No Sul brasileiro, os principais produtos são soja, milho, arroz, fumo e trigo. O valor de produção em 2018 atingiu R$ 90,3 bilhões. O Paraná se destaca com valor de produção de R$ 41,3 bilhões. O município de Guarapuava (PR), com R$ 794 milhões, teve o maior valor de produção.

O Nordeste mostrou valor de produção de R$ 41,2 bilhões, destacando a Bahia, com R$ 19,6 bilhões. Entre os municípios nordestinos, São Desidério (BA) mostra o maior valor de produção (R$ 3,6 bilhões). As principais culturas foram soja, cana-de-açúcar, algodão herbáceo, milho e banana. Alfredo disse que na região de Matopiba, que envolve os estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, áreas de fronteira agrícola, houve substancial aumento na produção de soja. “Então, passou a ser o principal produto da Região Nordeste”.

No Norte, o valor de produção foi R$ 20,3 bilhões. O Pará liderou com R$ 10,4 bilhões e também com o município de Igarapé-Miri, cujo valor de produção foi R$ 890,6 milhões. A lista dos principais produtos é encabeçada pela soja, seguida da mandioca, açaí, milho e banana.

Carlos Alfredo informou que dos 50 maiores municípios pelo valor de produção, dezoito estão em Minas Gerais, sete em Goiás, seis no Mato Grosso e cinco na Bahia. “São estados que possuem os maiores municípios produtores, somando todos os produtos”. Fonte: Agência Brasil

Foto: Divulgação

Agropecuária nordestina ganha plano de ação para o desenvolvimento

segunda-feira, agosto 19th, 2019

A agropecuária nordestina tem a partir desta segunda-feira, dia 19/8, um instrumento importante para o seu desenvolvimento. A Portaria 164, de 16 de agosto, publicada no Diário Oficial da União desta segunda-feira, estabelece no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento o Plano de Ação para o Nordeste (AgroNordeste).

O AgroNordeste vai apoiar a organização das cadeias agropecuárias da região para ampliar e diversificar os canais de comercialização, “atuando com pertinência social, ambiental e econômica e buscando aumentar a eficiência produtiva e o benefício social”.

De acordo com a portaria, o plano trabalhará também na identificação de obstáculos que travam a competitividade de setores da agropecuária nordestina com potencial de crescimento e apoiar a melhoria dos sistemas produtivos, do beneficiamento e do processamento de produtos.

O AgroNordeste trabalhará também no acesso dos produtores a crédito, assistência técnica e tecnologias, objetivando o desenvolvimento de produtos com maior valor agregado e de estratégias de convivência com a seca. Fonte: Agência Brasil

Foto: Reprodução/Arquivo/Agência Brasil

Ministra da agricultura visita Bahia Farm Show

sábado, junho 1st, 2019

A ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) disse na sexta-feira, dia 31/5, durante a Bahia Farm Show, em Luís Eduardo Magalhães (BA), que o Plano Safra 2019/20, previsto para ser lançado no dia 12 de junho, deverá ser feito nos mesmos moldes dos anos anteriores. “Vai ser igual aos outros. É um plano safra muito parecido”, afirmou.

Para a ministra, é essencial que o produtor rural tenha previsibilidade na hora de tomar crédito. Ela defendeu que o país caminhe  para um modelo permanente. “O Brasil e o agronegócio brasileiro ficaram tão grandes que a gente tem que ter uma política agrícola definida, sem ter que todo ano o produtor ficar preocupado se o juro vai subir, se vai cair, se vai ter a subvenção, se vai ter o seguro.

Ela tranquilizou os produtores presentes com relação ao Plano Safra deste ano. “Fiquem tranquilos. Não vamos ter ainda o plano safra que desejávamos, mas vamos ter uma programação que o produtor vai poder ter, com novas ferramentas”. 

Tereza Cristina voltou a lembrar a necessidade da aprovação no Congresso Nacional do projeto de crédito suplementar (PLN 4/19), que inclui R$ 10 bilhões em recursos para equalização dos financiamentos do Plano Safra.

“Neste ano, com esse orçamento super apertado, precisamos da votação urgente do PLN 4 para que o governo tenha esses recursos do orçamento do ano passado à disposição e possa fazer plano safra e colocar dinheiro na educação, na saúde, enfim, onde tem obrigação de investir”.

A ministra comemorou a boa fase que vive o setor agropecuário brasileiro e disse que o presidente Jair Bolsonaro é um “grande amigo” do setor. “Vivemos hoje um grande momento para essa classe produtora que foi massacrada durante muito tempo e que nos colocou contra a classe urbana, que acha que somos transgressores. E não somos, somos produtores colocando alimento barato e seguro no prato do brasileiro e ainda gerando excedente para alimentar 1 bilhão de pessoas no mundo todo ano.”

Foto: Divulgação

Estado incentiva desenvolvimento do Oeste na Bahia Farm Show

sexta-feira, maio 31st, 2019

Do agronegócio à agricultura familiar. A Bahia Farm Show chega à 15ª edição em Luis Eduardo Magalhães, no oeste da Bahia, com expectativa de atrair 70 mil pessoas. O Governo do Estado apoia o evento com diversas ações, a exemplo da atração de negócios, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE), e do lançamento de linhas de crédito, com a Agência de Fomento da Bahia (Desenbahia). Já a Secretaria da Agricultura, Pecuária, Irrigação, Pesca e Aquicultura (Seagri) atua como articuladora entre os produtores e os órgãos do governo estadual. 

A feira, que começou na terça-feira (28) e segue até sábado (1º), reforça a visibilidade do oeste da Bahia, que já atrai os olhos do país inteiro e também de fora do Brasil. Sasha Thompson, por exemplo, é produtora de leite originária da Nova Zelândia e está há 10 anos na região. “Nós observamos o mundo em busca de oportunidades. Estamos sempre vindo à Bahia Farm Show para ver a disponibilidade de tecnologia”, afirmou a produtora. A expectativa é atrair 70 mil pessoas nos cinco dias de evento.

SDE

Segundo o coordenador de Atração de Investimentos da SDE, Humberto Bonfim, é a primeira vez que a secretaria monta um estande na Bahia Farm Show. “Estamos oferecendo consultoria gratuita e temos o objetivo de atrair novos investimentos para o agronegócio, gerando mais empregos e renda. Nós prestamos informações relacionadas aos programas de incentivos fiscais, de infraestrutura, para que as empresas se instalem na região”, explicou. 

Empresário do ramo de recicláveis, Márcio Pes aprovou o atendimento da SDE. “Eu vim à procura de informação. Nós temos uma indústria de reciclagem há sete anos, geramos 50 empregos diretos e estamos querendo expandir o negócio. Fomos muito bem recebidos. Viemos saber como a SDE pode nos ajudar, desde o incentivo, na relação com a Coelba e com a Embasa, e no apoio com o financiamento para ampliação”. 

O SAC Empresarial também está presente no estande da SDE para divulgar o órgão, em parceria com a Secretaria da Administração (Saeb) e com o Sebrae. “Nós temos um serviço de formalização e atendimento ao microempreendedor individual e de orientação sobre a abertura de empresas. Temos também atendimento específico para o microempreendedor individual [MEI]. Neste evento, temos o intuito de divulgar os nossos atendimentos e serviços”, disse a coordenadora do SAC Empresarial, Ana Luiza Mascarenhas. 

Desenbahia

A Desenbahia lança na Bahia Farm Show uma linha de crédito específica para realização de novos investimentos no setor do agronegócio. Com recursos próprios e taxas competitivas, a Desenbahia busca financiar a aquisição de máquinas e equipamentos ligados à atividade agropecuária. A agência de fomento participou de todas as edições do evento, sendo líder por vários anos em intenções de negócio. 

Gerente de Desenvolvimento da Desenbahia, João Pedro Cardoso destacou que a agência tem quebrado recordes de captação de investimentos a cada ano. “Este ano, temos linhas para máquinas, conversão de solo, energia renováveis, pecuária, irrigação e as mais diversas áreas. Pretendemos fechar, hoje, no mínimo R$ 20 milhões, e este é apenas o início da feira. O nosso maior lucro é o crescimento do produtor”, ressaltou. 

Segundo João Pedro, basta o produtor apresentar a documentação e o orçamento da máquina para protocolar a intenção de financiamento. “Estaremos atendendo até o último minuto da feira. A cada dia que passa, as propostas aumentam. O agronegócio está cada vez mais pujante. Os clientes fidelizados estão voltando e temos clientes novos a cada dia”, finalizou. 

Agricultura familiar
A agricultura familiar baiana também tem espaço na Bahia Farm Show. Por meio da Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), empresa ligada à Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), representantes da agricultura familiar e da economia solidária de mais de 20 municípios expõem produtos no evento. 

Um deles é o agricultor familiar Tilson Prates, de Itabuna. “Expor nossos produtos é muito importante para nós, porque esta é uma região muito próspera. É um novo nicho de mercado, para onde vem gente do país inteiro. Nosso estande já foi visitado por gente de todo o Brasil”.

Foto:

Presidente Jair Bolsonaro diz que não quer atrapalhar quem produz

segunda-feira, abril 29th, 2019

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta segunda-feira, dia 29/4, que, como chefe do Executivo, não quer atrapalhar quem produz no Brasil. “Nós queremos e estamos tirando o Estado do cangote daqueles que produzem, daqueles que investem e dos grandes empreendedores”, disse na abertura da 26ª Feira Internacional de Tecnologia Agrícola em Ação (Agrishow), feira do agronegócio que acontece em Ribeirão Preto, interior de São Paulo.

“O agronegócio, a agropecuária, é um dos setores que está dando certo há muito tempo, e nós devemos valorizar quem trabalha nessa área”, ressaltou.

Ao lado dos ministros do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, Bolsonaro disse que uma das medidas para o setor é “fazer um limpa” no Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e no Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), e colocar pessoas que estejam ao lado daqueles que produzem. “Tem que haver fiscalização sim, mas o homem do campo tem que ter o prazer de receber o fiscal e, num primeiro momento, ser orientado para que ele possa cumprir as leis”, disse.

De acordo com o presidente, “em torno de 40% das multas aplicadas no campo serviam para retroalimentar uma fiscalização xiita, que buscava atender apenas nichos que não ajudavam o meio ambiente e muito menos aqueles que produzem”.

Segurança jurídica

Bolsonaro disse ainda que busca segurança jurídica para o produtor rural, para garantir a propriedade privada e a segurança no campo. De acordo com o presidente, em conversa ontem (28) com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o parlamentar prometeu colocar em pauta um projeto para que o produtor rural possa portar armas de fogo em todo o perímetro de sua propriedade.

Outro projeto que deve ser encaminhado pelo Executivo “vai dar o que falar”, segundo Bolsonaro. “É um projeto para fazer com que, ao defender sua propriedade privada ou sua vida, o cidadão do bem entre no excludente de licitude, ou seja, ele responde [um processo], mas não tem punição. É a forma que temos para quem do outro lado, que não teme em desrespeitar a lei, temam vocês, temam o cidadão de bem, e não o contrário”, disse.

O presidente disse também que a reforma agrária deve ser feita “sem viés ideológico”, que comece por terras ociosas e que haja acordos de conciliação em áreas judicializadas.

Mercado

O presidente Jair Bolsonaro confirmou que fará uma viagem à China no segundo semestre, “até para desfazer aquela imagem criada pela imprensa, como se fossemos inimigos dos chineses”. “Eu sou inimigo, sim, de governos que, no passado, faziam negócios estando à frente o viés ideológico. Isso deixou de existir”, afirmou. A China é o principal destino das exportações brasileiras.

Índia

No âmbito do comércio internacional, a ministra Tereza Cristina anunciou a abertura do mercado indiano para a carne de frango brasileira. Além disso, os produtores rurais terão mais R$ 500 milhões no Plano Safra para a compra de máquinas e equipamentos, totalizando R$ 1,5 bilhão.

A Agrishow é a maior feira de tecnologia agropecuária do Brasil e acontece até sexta-feira (3). A expectativa da organização é que mais de 150 mil vistantes de diversos países passem pela feira. Além de palestras e exposições, o evento conta com demonstrações de áreas de plantio, equipamentos e novas tecnologias para o setor. Agência Brasil

 

 

 

 

Foto: Alan Santos/Divulgação/PR

 

 

 

 

 

 

Fenagro: Organizadores têm expectativa de atrair 300 mil visitantes

segunda-feira, novembro 26th, 2018
Uma semana de oportunidade para empresários do agronegócio e agricultores familiares movimentarem a economia, e também para turistas e baianos conhecerem o que é produzido no interior do estado. Até o próximo domingo (2), estão abertas ao público, simultaneamente, a 31ª Feira Internacional da Agropecuária (Fenagro) e a 9ª Feira da Agricultura Familiar, no Parque de Exposições da Bahia, em Salvador. A abertura foi realizada neste domingo (25), com a presença do vice-governador, João Leão, secretários e outras autoridades. Este ano a feira também comemora os 40 anos do Parque de Exposições. Nesta edição, a Fenagro tem como expectativa atrair 300 mil visitantes e movimentar R$ 100 milhões. 
O vice-governador João Leão lembrou que a Bahia é o estado brasileiro que tem o maior número de agricultores familiares do país, são 750 mil pequenos produtores, mais de três milhões de famílias vivendo da agricultura. “Temos também mais 300 mil  médios e grandes produtores. São mais de um milhão de produtores no estado, e isso é uma alta produtividade. A Bahia está se tornando um dos maiores celeiros do Brasil na produção agrícola, e agora nós estamos avançando na industrialização”, destacou. 
Para o secretário estadual de Desenvolvimento Rural, Jerônimo Rodrigues, a Fenagro é uma oportunidade de o Brasil conhecer a força do rural baiano. Aqui estão representados da pecuária ao artesanato, passando pelo agronegócio, os quilombos, indígenas, mostrando cadeias estratégicas, com produtos de qualidade sendo apresentados”. Ainda segundo ele, é uma oportunidade de se marcar um encontro entre quem produz e quem comercializa, que são as redes de supermercado, hotéis, restaurantes. Além disso, as feiras oferecem ao público diversão, cultura e gastronomia”. 
O licuri do Sertão do São Francisco, o mel e o artesanato da região da Bacia do Rio Corrente e todos os territórios de identidade da Bahia estão representados. O prefeito Marcão, do município de Santana, localizado no oeste da Bahia, na Bacia do Rio Corrente, destacou a importância da Fenagro para o pequeno agricultor. “É um fortalecimento da geração de emprego e renda dentro da Agricultura Familiar. Nós temos um grande número de famílias na região vivendo da agricultura, a nossa bacia não é do agronegócio. Portanto, esta feira vem fortalecer os agricultores familiares que são responsáveis por 75% dos produtos que chegam à mesa do brasileiro”. 
Foto: Divulgação/GOVBA

Bahia: Cerca de 9 mil empregos são criados no agronegócio

domingo, setembro 30th, 2018

Agro dá certo. O Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho, afirmou que o número de empregos no setor agropecuário da Bahia cresceu 9,04%. De janeiro a agosto deste ano, foram criados cerca de 9 mil empregos.

Os números são positivos ainda em comparação a 2017. Entre agosto de 2017 e agosto de 2018, quase 3.600 novos empregados foram captados pelo segmento agropecuário da Bahia, significando aumento de 3,41% (3.548).

Foto: Reprodução/Incra

Bahia Farm Show estende programação por causa da greve dos caminhoneiros e carreteiros

sábado, maio 26th, 2018

Agronegócio em alta. A 14ª Bahia Farm Show, vai ter mais um dia de programação por conta da greve dos caminhoneiros e carreteiros que acabou provocando atraso na chegada de alguns expositores para uma das maiores feiras do agronegócio da Bahia. A programação do evento estava confirmada de terça-feira 29/5 até sábado, dia 2/6, porém agora, vai até o domingo, dia 3/6, na Cidade de Luís Eduardo Magalhães, no Oeste da Bahia. A informação foi divulgada pela Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba), organizadora do evento.

Conforme a entidade, até quinta-feira, dia 24/5, pelo menos 70% dos estandes estavam montados. Para este ano, são esperados 260 expositores, entretanto, alguns estão tendo problemas para levar materiais até o local em função dos bloqueios feitos nas rodovias federais em todo o Brasil.

A feira deve movimentar mais de R$1 bilhão e 500 milhões em negócios. A AIBA informou que não espera um impacto no volume de negócios e a expectativa é ainda superar os número do ano passado, quando a feira atingiu R$ 1 bilhão 531 milhões em negócios.

 

 

Foto: Divulgação