Posts Tagged ‘Senado Federal’

Presidente Jair Bolsonaro entrega reforma da Previdência ao Congresso Nacional

quarta-feira, fevereiro 20th, 2019

Depois de mais de um mês de discussões entre as áreas econômica e política do governo, a principal proposta da área econômica será apresentada hoje(20). Às 9h30, o presidente Jair Bolsonaro irá à Câmara dos Deputados, acompanhado de ministros, entregar a proposta de reforma da Previdência, que pretende instituir idades mínimas de aposentadoria para os trabalhadores do serviço público e da iniciativa privada.

Bolsonaro entregará o texto ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. Na Casa, a proposta passará primeiramente pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), depois irá para uma comissão especial, antes de ir a plenário. Se aprovada em dois turnos por pelo menos três quintos dos deputados (308 votos), a reforma segue para o Senado.

Durante o dia, o presidente gravará um pronunciamento explicando a necessidade de reformar a Previdência. Elaborado em conjunto pela equipe econômica e pelo gabinete presidencial, o discurso será transmitido à noite em cadeia nacional de rádio e televisão.

Explicações

O ministro da Economia, Paulo Guedes, e o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, também participarão da cerimônia de entrega do texto. Da Câmara dos Deputados, eles irão direto para o 3º Fórum de Governadores, que ocorre nesta quarta-feira. Guedes e Marinho apresentarão a proposta para os chefes estaduais. Atualmente, sete estados estão em situação de calamidade financeira em meio a orçamentos comprometidos com a folha de pagamento e com as aposentadorias dos servidores locais.

Enquanto Guedes e Marinho estiverem explicando a proposta aos governadores, técnicos da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho detalharão todos os pontos da reforma da Previdência a jornalistas. Na semana passada, Marinho confirmou que o texto proporá a idade mínima de 65 anos para homens e 62 anos para mulheres, com calendário de transição de 12 anos.

Detalhes

Entre os detalhes a serem divulgados hoje estão as mudanças nas aposentadorias especiais de professores, policiais, bombeiros, trabalhadores rurais e profissionais que atuam em ambientes insalubres. Também serão informadas as propostas para regras como o acúmulo de pensões e de aposentadorias e possíveis mudanças nas renúncias fiscais para entidades filantrópicas.

Falta saber ainda como ficarão o fator previdenciário, usado para calcular o valor dos benefícios dos trabalhadores do setor privado com base na expectativa de vida, e o sistema de pontuação 86/96, soma dos anos de contribuição e idade, atualmente usado para definir o momento da aposentadoria para os trabalhadores do setor privado. Em relação aos servidores públicos, ainda não se sabe qual será a proposta para a regra de transição.

Também nesta quarta-feira, o governo informará como incluirá na proposta a mudança para o regime de capitalização, no qual cada trabalhador terá uma conta própria em que contribuirá para a aposentadoria. Atualmente, a Previdência dos setores público e privado é estruturada com base no sistema de repartição, onde o trabalhador na ativa e o empregador pagam os benefícios dos aposentados e pensionistas.

Para viabilizar a migração de regime, o governo tem de incluir um dispositivo na Constituição que autoriza o envio de um projeto de lei – complementar ou ordinária – para introduzir o novo modelo depois da aprovação da reforma. Será revelado ainda se o governo enviará o projeto para reformular a Previdência dos militares junto da PEC ou em outro momento.

Tramitação

O governo calcula que a reforma vai permitir uma economia de R$ 800 bilhões a R$ 1 trilhão nos próximos dez anos. Por se tratar de uma PEC, a reforma da Previdência precisa ser votada em dois turnos na Câmara e no Senado, com o apoio de no mínimo três quintos dos deputados e dos senadores em cada votação. Agência Brasil

 

 

Foto: Cleia Viana/Divulgação/Câmara dos Deputados

Novos senadores tomam posse e elegem novo presidente da Casa na sexta (1º/2)

quinta-feira, janeiro 31st, 2019

Na sexta-feira, dia 1°/2, 54 dos 81 senadores iniciarão seus mandatos. A cerimônia de posse ocorre antes das reuniões em que serão eleitos o novo presidente da Casa e os demais integrantes da Mesa. No total, são três reuniões, chamadas de preparatórias. A primeira delas, destinada à posse, está marcada para 3 da tarde. Neste ano, a renovação marca o início da nova legislatura.

Dos 54 senadores que tomarão posse (dois por estado), 46 não estavam no Senado no ano anterior, uma renovação histórica, de cerca de 85%. Apesar do número de senadores, a sessão de posse deve ser rápida, já que não haverá discursos dos parlamentares. O único a falar deve ser o senador que presidirá a cerimônia.

Pelas regras regimentais, esse papel caberá a Davi Alcolumbre (DEM-AP), único integrante da Mesa Diretora da legislatura anterior que continua no mandato, iniciado em 2015. Se ele não estiver presente, quem preside é o senador mais idoso, no caso, o senador José Maranhão (MDB-PB).

A posse é conjunta, mas o juramento é individual e os senadores são chamados por ordem de criação dos estados. Apenas o primeiro senador pronuncia na íntegra o juramento: “Prometo guardar a Constituição Federal e as leis do país, desempenhar fiel e lealmente o mandato de senador que o povo me conferiu e sustentar a união, a integridade e a independência do Brasil”. Depois, todos os outros senadores, quando chamados, dirão “assim o prometo”.

De acordo com o coordenador-geral da Secretaria de Relações Públicas, Publicidade e Marketing do Senado, Cefas Siqueira, 2.710 pessoas foram convidadas. Cada senador empossado teve direito a 45 convites, um para a tribuna de honra, um para as galerias e 15 para o salão Negro, onde haverá um telão. Os restantes poderão ficar no gabinete ou assistir à posse no Auditório Petrônio Portela.

O esquema de entrada na Casa para os demais cidadãos, segundo o coordenador, será normal, com identificação na portaria. O acesso será restrito apenas nos locais que têm relação com a posse.

Eleição

Depois da posse dos novos senadores, haverá um intervalo para a segunda reunião, em que será eleito o novo presidente do Senado. A expectativa é que ela tenha início por volta das 18h. O eleito vai comandar a Casa por dois anos e também exercerá a função de presidente do Congresso.

Os nomes dos candidatos serão conhecidos apenas no início da reunião. As candidaturas podem ser registradas até o momento da eleição. Para ser eleito, o candidato precisa receber no mínimo 41 votos. Caso contrário, será realizado um segundo turno entre os dois candidatos mais votados. A segunda reunião também deve ser presidida pelo senador Davi Alcolumbre ou pelo senador mais idoso presente.

A terceira reunião preparatória é destinada à eleição dos demais cargos da Mesa: dois vice-presidentes, quatro secretários e quatro suplentes de secretários. O quórum para a eleição é igual ao de presidente: 41 votos favoráveis.

A eleição dos demais integrantes da Mesa pode ser feita ainda no dia 1º de fevereiro, depois da eleição do presidente do Senado, ou pode ser marcada para outra data se houver acordo entre os parlamentares, como já ocorreu em outros anos. Serão três votações distintas para os cargos de vice-presidentes, secretários e suplentes de Secretários. Entretanto, por proposta de um terço dos senadores ou de líder de bancada que represente este número, é possível que a eleição desses postos seja feita em apenas uma votação.

Tradicionalmente, as bancadas com o maior número de senadores eleitos têm direito à maior parte das 11 cargos da Mesa e a eleição é feita por chapa, embora não haja qualquer restrição à disputa dos cargos individualmente. Não há impedimento de que um candidato de partido com menor representação proporcional seja eleito pela maioria. Fonte: Agência Senado

 

 

PSL lança Major Olímpio para Presidência do Senado

quinta-feira, janeiro 3rd, 2019

Chegando. Um dia depois que o PSL declarou apoio à tentativa de reeleição do deputado a presidente da Câmara Federal, o partido resolveu lançar candidatura própria à Presidência do Senado.

A pré-candidatura do deputado federal e senador eleito Major Olímpio (SP) foi anunciada pelo presidente nacional do partido, deputado federal eleito Luciano Bivar (PE), nesta quinta-feira, dia 3/1.

A divulgação ocorreu em reunião com parte da bancada no Congresso, porém o registro oficial da candidatura deve ocorrer na véspera ou no dia da eleição. Major Olímpio afirmou que foi convidado formalmente por Bivar durante a posse do presidente Jair Bolsonaro (PSL), na terça-feira, dia 1º/1, e que tinha ficado de “amadurecer” a ideia.

 

 

Foto: Ananda Borges/Divulgação/Câmara dos Deputados

Angelo Coronel quer ser presidente do Senado

segunda-feira, novembro 26th, 2018

Sonhando alto. O atual presidente da Assembleia Legislativa da Bahia, Angelo Coronel (PSD), senador eleito me 7 de outubro, afirmou nesta segunda-feira, dia 26/111, que está disponível para concorrer à presidência do Senado.

“Eu não sou candidato de mim mesmo. Como teve renovação grande, dois terços são pessoas novatas. Tem alguns colegas que conheço que dizem que está na hora de colocar o novo. Estarei em Brasília à disposição. Torço que Otto seja o presidente. Se for pra escolher da velha guarda, vou fazer pressão para ser ele”, disse.

 

 

Foto: Divulgação

Wagner e Coronel são eleitos senadores pela Bahia

domingo, outubro 7th, 2018

Venceram. Jaques Wagner (PT) e Angelo Coronel (PSD), foram eleitos senadores pela Bahia, neste domingo, dia 7/10. Com 35,53% e 32,75%, respectivamente, Wagner e Coronel venceram Irmão Lázaro (PSC), que chegou a ficar  disparado nas pesquisas, e acabou em terceiro lugar, com 15,50 % dos votos válidos. Foram apuradas 70,83% das urnas. Os votos brancos somam 6,68% e os nulos, 21,34%. O número de abstenções foi de 21,05%.

Total da votação para o Senado:

Jaques Wagner (PT) – 2932498 votos – 35,53%
Angelo Coronel (PSD) – 2703456 votos – 32,75%
Irmão Lázaro (PSC) – 1279370 – 15,50%
Juthay Magalhães Júnior (PSDB) – 66153 votos – 8,00%
Comandante Rangel (PSL) – 411053 votos – 4,98%
Fábio Nogueira (PSol) – 124183 votos – 1,50%
Jorge Viana (MDB) – 37357 votos – 0,45%
Celsinho Cotrim (PRTB) – 33548 votos – 0,41%
Francisco José (Rede) – 30484 votos – 0,37%
Marcos Maurício (DC) – 29141 votos – 0,35%
Adroaldo dos Santos (PCO) – 13405 votos – 0,16%

 

 

 

Foto: Divulgação

Ao provocar Irmão Lázaro, Coronel admite que não é conhecido dos baianos: “Não sou cantor gospel”

terça-feira, outubro 2nd, 2018

Êta provocação. Perto da eleição, o deputado estadual e candidato ao senado, Angelo Coronel (PSD), garante que está otimista quanto ao domingo de eleição e já considera o ex-governador Jaques Wagner (PT), seu companheiro de parlamento. O presidente da Assembleia resolveu cutucar seu principal adversário, Irmão Lázaro (PSC).

Em entrevista à Rádio Metrópole de Salvador, nesta terça-feira, dia 2/10, Coronel provocou: “Wagner está consolidado por ser ex-governador e aqui, Angelo Coronel, está seguindo nesse vácuo para que meu nome se torne conhecido de todos os baianos. Nunca fui governador e não sou cantor gospel”, disse.

 

Foto: Divulgação

 

Pesquisa: Coronel reage e empata com Irmão Lázaro

terça-feira, setembro 25th, 2018

Tá subindo! A candidatura de Angelo Coronel (PSD) ao Senado começou a decolar. O deputado estadual e atual presidente da Assembleia Legislativa da Bahia, vinha aparecendo em todas as pesquisas de intenções de votos atrás do deputado federal Irmão Lázaro (PSC), em terceiro lugar, e agora, encostou no adversário.

Conforme pesquisa do Instituto Real Big Data, divulgada nesta terça-feira, dia 25/9, Coronel está empatado com o socialista cristão em segundo lugar com 18%. Os dois ocupam a segunda posição. No levantamento, Jaques Wagner tem 45%.

 

 

 

Foto: Reprodução/Instagram

 

Exclusivo: Pinheiro volta ao Senado em novembro

terça-feira, setembro 4th, 2018

Deu recado. O senador licenciado e atual secretário de educação da Bahia, Walter Pinheiro (sem partido), confirmou nesta terça-feira, dia 4/9, que ressume a cadeira no Senado Federal em novembro deste ano, até o fim do mandato que ocorre em 31 de janeiro de 2019. Em entrevista exclusiva ao apresentador Adelson Carvalho na Rádio Sociedade, Pinheiro foi direto: “Volto ao Senado em Novembro para finalizar o mandato e participar da votação do orçamento para 2019”, disse.

 

 

Foto: Hora do Bico

“Se ganhar, eu quero compartilhar”, diz Coronel sobre eleição para o Senado

terça-feira, maio 29th, 2018

Retou. O presidente da Assembleia Legislativa da Bahia, deputado Angelo Coronel (PSD), disse que não vai colocar no “colo” dos aliados a culpa por eventual derrota nas urnas em outubro. Coronel ainda não teve confirmação da participação dele como candidato ao Senado Federal na chapa do governador Rui Costa (PT).

Coronel aparece em terceiro lugar nas pesquisas de intenção de votos, perdendo para os pré-candidatos Jaques Wagner (PT) e Jutahy Magalhães (PSDB).

“Não existe derrota no colo de ninguém. Se eu perder, quem está perdendo é Coronel. Se eu ganhar, tenha certeza que eu vou creditar a todos aqueles que me apoiaram, ao meu partido e, principalmente, Otto Alencar. Se ganhar, eu quero compartilhar”, detonou.

 

 

Foto: Hora do Bico

Conforme antecipado pelo Hora do Bico, Coronel reafirma: “Se não for candidato a senador, ficarei fora do processo”

quarta-feira, março 14th, 2018

Não come reggae. Conforme foi detonado com exclusividade por este site, o presidente da Assembleia Legislativa da Bahia Angelo Coronel (PSD), confirmou que vai ficar de fora das eleições deste ano caso não seja candidato a senador na chapa do governador Rui Costa. Interrogado pelo apresentador Adelson Carvalho, o político disse que não aceita outro disputa, inclusive para deputado federal. O PSD, deve indicar um nome para compor a chapa. E Coronel já bateu o martelo: “Se não for candidato a senador, ficarei fora do processo”, confirmou.

 

 

Foto: Hora do Bico

Decreto sobre intervenção federal no Rio de Janeiro chega ao Senado

terça-feira, fevereiro 20th, 2018

Foi protocolado no Senado, na manhã desta terça-feira, dia 20/2, o projeto de decreto legislativo (PDC 88/18), que trata da intervenção na segurança pública do Estado do Rio de Janeiro. A matéria foi aprovada por 340 votos favoráveis, 72 contrários e uma abstenção nesta madrugada pela Câmara dos Deputados. A sessão que vai analisar a proposta no Senado foi convocada para às 18h.

O decreto terá impacto na tramitação de propostas de emenda à Constituição (PECs), que, segundo já adiantou o presidente do Senado, Eunício Oliveira, vão ficar paralisadas enquanto durar a intervenção federal. “Enquanto perdurar a intervenção no estado do Rio de Janeiro, eu, Eunício Oliveira, presidente do Senado e do Congresso Nacional, não darei tramitação a nenhuma medida de mudança na Constituição, caso contrário eu estaria descumprindo a Constituição brasileira, que eu jurei cumprir. Não tramitará nenhuma mudança à Constituição do país”, afirmou o presidente do Senado.

Ainda segundo Eunício, que também preside os trabalhos do Congresso Nacional, são cerca de 190 as PECs que tramitam atualmente no Senado ou na Câmara. Fonte Agência Brasil

 

 

 

 

Foto: Reprodução

Comissão do Senado arquiva pedido de cassação de Aécio Neves

terça-feira, outubro 24th, 2017

O presidente do Conselho de Ética do Senado, senador João Alberto (PMDB-MA), determinou nesta terça-feira, dia 24/10, o arquivamento do pedido de abertura de procedimento disciplinar contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG). A decisão seguiu parecer da Advocacia-Geral do Senado.

O pedido de investigação no conselho foi protocolado pelo PT em 28 de setembro para que o colegiado avaliasse se o senador havia quebrado o decoro parlamentar. A alegação do partido se baseou na denúncia apresentada pelo empresário Joesley Batista, um dos donos da J&F, segundo qual Aécio teria recebido R$ 2 milhões não-declarados.

No entanto, segundo o parecer da Advocacia-Geral do Senado, a “representação do PT é no máximo uma versão atualizada da representação do PSOL [e da Rede]” contra Aécio, que já havia sido arquivada pelo conselho em julho. “Tanto é que reproduz ipsis litteris, um trecho da peça precursora”, segundo o órgão do Senado.

“Senti que o parecer tinha sentido e combinava também com a minha posição pessoal”, disse João Alberto ao justificar a decisão de arquivar o processo.

Senadores do Conselho de Ética podem apresentar recurso para tentar reverter o arquivamento.

Em julho, o presidente do Conselho de Ética decidiu não aceitar o pedido feito pela Rede e pelo PSOL. Após recurso, o caso foi a votação no colegiado, que confirmou o arquivamento com 11 votos favoráveis e quatro contrários.

Defesa 

Em nota, a defesa do senador Aécio Neves reitera “a absoluta correção” na conduta do senador. “As investigações demonstrarão que os recursos citados referem-se a um empréstimo entre privados que não envolveu dinheiro público ou qualquer contrapartida. Portanto, não houve crime ou quebra de decoro”. Agência Brasil

 

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Reprodução/Agência Brasil

Senado derruba afastamento parlamentar de Aécio Neves imposto pelo STF

terça-feira, outubro 17th, 2017

O plenário do Senado decidiu reverter a decisão da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) e, com isso, pôs fim ao afastamento parlamentar do senador Aécio Neves (PSDB-MG), que havia sido imposto pelos ministros da Corte no último dia 26.

Com os votos de 44 senadores contra a manutenção das medidas cautelares e de 26 favoráveis, os parlamentares impediram o afastamento de Aécio, o seu recolhimento domiciliar noturno e reverteram a obrigação de entregar o passaporte. Não foram registradas abstenções.

A votação ocorre após a maioria dos ministros do STF decidir, na semana passada, que o tribunal não pode afastar parlamentares por meio de medidas cautelares sem o aval do Congresso Nacional. No fim de setembro, a Primeira Turma da Corte havia decidido, por 3 votos a 2, afastar Aécio do exercício do mandato ao analisar pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) no inquérito em que o tucano foi denunciado por corrupção passiva e obstrução de Justiça, com base nas delações premiadas dos executivos da J&F.

 

 

Foto: Reprodução

Fachin nega pedido de Aécio para suspender decisão que afastou senador do cargo

terça-feira, outubro 3rd, 2017

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin negou há pouco recurso para suspender a decisão que determinou o afastamento do senador Aécio Neves (PSDB-MG) das atividades legislativas, determinado pela Primeira Turma da Corte na semana passada, quando foi imposto também o recolhimento domiciliar noturno contra o parlamentar.

No mandado de segurança protocolado ontem (2), o advogado de Aécio, Alberto Toron, pediu que o afastamento fosse suspenso ao menos até que seja julgada a ação direta de inconstitucionalidade (ADI) sobre a necessidade ou não de aval do Legislativo para que o Judiciário possa aplicar medidas cautelares contra parlamentares. A ADI deve ser julgada no dia 11 de outubro.

Na decisão, Fachin entendeu que é incabível um mandando de segurança para questionar a deliberação de um órgão da Corte.

No processo, Toron justifica que Aécio “não pode, para fins processuais penais, ser tratado como um funcionário público qualquer”, entre outros argumentos. “É que a Constituição Federal o desequipara, dotando-o de prerrogativas especiais. Se ele não pode ser preso, é de se perguntar: a medida, que é alternativa à prisão, pode lhe ser imposta?”, indagou. Agência Brasil

 

 

Foto: Reprodução

Lídice da Mata assume liderança do PSB no Senado

terça-feira, setembro 12th, 2017

Olha aí. A senadora baiana Lídice da Mata foi escolhida, nesta terça-feira, dia 12/9, nova líder do PSB no Senado Federal, tendo como vice o sergipano António Carlos Valadares. Na atual legislatura, é a segunda vez que a parlamentar baiana assume a liderança do partido na Casa. Além  de contar com Lídice e Valadares, a bancada do PSB tem ainda os senadores João Capiberibe (AP), Lúcia Vânia (GO) e Roberto Rocha (MA).

 

 

Foto: Divulgação

Senado aprova projeto que impede operadoras de limitar dados da banda larga fixa

quarta-feira, março 15th, 2017

O plenário do Senado aprovou nesta quarta-feira, dia 15/3, projeto de lei que proíbe as operadoras de internet de estabelecer franquias de dados em seus contratos de banda larga fixa. Na prática, as operadoras ficam impedidas de limitar a quantidade de dados que o consumidor poderá usar por mês. O texto não prevê a probição no caso da banda larga móvel, utilizada em tablets e celulares.

O projeto tramitou em regime de urgência, depois de acordo entre os líderes partidários, e seguirá agora para a Câmara dos Deputados. Para o autor do projeto, senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES), o limite para acesso à internet só ocorre “em países liderados por governos autoritários, que cerceiam o acesso à informação por parte de seus cidadãos”.

Tanto o autor quanto o relator, senador Pedro Chaves (PSC-MS), ressaltaram a importância do acesso à internet para a vida cotidiana, como estudos e até a declaração do Imposto de Renda – que é obrigatória e só pode ser feita online.

Por ser originário do Senado, se sofrer modificações na Câmara, o projeto deverá retornar para última análise dos senadores. Somente depois disso é que a matéria seguirá para sanção presidencial e poderá entrar em vigor. Agência Brasil

 

 

Foto: Divulgação

Lídice vota contra e diz que PEC 55 visa “aprisionar as políticas públicas”

quarta-feira, novembro 30th, 2016

image35-250x188

A senadora Lídice da Mata (PSB), coligada do PT na Bahia, foi a única a votar contra a PEC 55, que terminou sendo aprovada em primeiro turno no Senado, na terça-feira, dia 29/11. Lídice diz que a matéria não implica apenas no controle dos gastos públicos e sim nos investimentos federais em setores essenciais, durante vinte anos. “É algo diferente”, provoca, afirmando que não existem referências que creditem a medida.

Para o apresentador Adelson Carvalho, durante entrevista na Rádio Sociedade, na manhã desta quarta-feira, dia 30/11, a parlamentar disse: “Não há nenhuma referência em constituições no mundo que você tenha colocado uma medida fiscal na Constituição, o que demonstra uma tentativa de aprisionar a política pública e a política econômica em uma Constituição Federal”, criticou.
Foto: Hora do Bico

AO VIVO: Julgamento de Dilma pelo Senado

quinta-feira, agosto 25th, 2016

Imagem1_16

Relator aponta crimes e vota pela continuidade do impeachment de Dilma Rousseff

quarta-feira, agosto 3rd, 2016

imagem_materia (2)

O relator da Comissão Especial do Impeachment, senador Antonio Anastasia (PSDB-MG), apresentou nesta terça-feira (2) seu relatório com voto pela procedência da acusação e pelo prosseguimento do processo contra a presidente afastada Dilma Rousseff.

Num documento de 441 páginas, Anastasia afirmou que há a presença de materialidade de crime e indício de autoria, o que o levou a votar pela pronúncia de Dilma. Ou seja, ela deve ser levada a julgamento pelos 81 senadores.

Para Anastasia, a presidente violou a Constituição ao praticar as chamadas “pedaladas fiscais”, atrasando pagamentos da União a bancos públicos para execução de despesas, e ao editar decretos de crédito suplementar sem autorização do Congresso Nacional.

 

Foto: Divulgação/Edilson Rodrigues/Agência Senado

 

Na madrugada, Congresso reduz meta fiscal autoriza déficit de até 170 bilhões

quarta-feira, maio 25th, 2016

2331,senado-aprova-mp-que-parcela-dividas-de-clubes-de-futebol-2

Expectativa. Deputados e senadores aprovaram na madrugada desta quarta-feira, dia 25, em sessão conjunta no Congresso, o projeto de lei que reduz a meta fiscal de 2016 e autoriza o governo federal a fechar o ano com um déficit (prejuízo), de até R$ 170 bilhões e 500 milhões nas contas públicas. Se confirmado esse déficit ao final do ano, será o pior resultado da série histórica que teve início em 1997. A aprovação foi por votação simbólica (sem a contagem de votos no painel eletrônico) após mais de 16 horas de sessão.

Essa aprovação era considerada essencial pela equipe econômica do governo do presidente Michel Temer porque, sem essa permissão para fechar o ano com déficit, várias despesas teriam que ser cortadas, o que afetaria investimentos e programas sociais.

 

Foto: Reprodução