Posts Tagged ‘OAS’

Operação Cartão Vermelho: Imóveis de Wagner são alvos da PF

segunda-feira, fevereiro 26th, 2018

Vixe. A residência e um escritório do ex-governador Jaques Wagner também foram alvos de mandados de busca e apreensão em ação da PF que investiga irregularidades no contrato de reconstrução e gestão da Arena Fonte Nova, nesta segunda-feira, dia 26/2.

A operação denominada de “Cartão Vermelho” investiga irregularidades na contratação dos serviços de demolição, reconstrução e gestão do estádio Arena Fonte Nova e cumpre sete mandados de  busca e apreensão autorizados pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) em órgãos públicos, empresas e endereços residenciais dos envolvidos no esquema.

A Polícia Federal afirma que as investigações mostram um direcionamento na licitação que culminou com a Parceria Público Privada nº 02/2010 na gestão do ex-governador Jaques Wagner. O processo teria sido direcionado para beneficiar o consórcio Fonte Nova Participações (FNP), formado pelas empresas Odebrecht e a OAS.

Segundo a PF, a obra foi superfaturada em valores que, corrigidos, podem chegar a mais de quatrocentos e cinquenta milhões de reais, sendo grande parte desviado para o pagamento de propina e o financiamento de campanhas eleitorais.

Relator vota por condenação e aumento de pena de Lula

quarta-feira, janeiro 24th, 2018

O relator dos recursos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), desembargador João Pedro Gebran Neto, votou pela manutenção da condenação do petista e aumento da pena para 12 anos e um mês de reclusão e 280 dias-multa. Para o desembargador, a pena de Lula deve ser cumprida em regime fechado. O juiz federal Sérgio Moro, em primeira instância, estabeleceu 9 anos e 6 meses de prisão.

O ex-executivo da OAS Agenor Franklin, condenado em primeira instância a 6 anos de prisão em regime fechado, teve a pena diminuída para 1 ano, 10 meses e 7 dias de reclusão, em regime aberto, e 43 dias-multa. A pena do ex-presidente da empreiteira da OAS, José Aldemário Pinheiro Filho, foi mantida em 3 anos, 6 meses e 20 dias de reclusão, em regime inicial semiaberto.

Segundo Gebran, é possível afirmar com certeza o contexto em que ocorreram os crimes de corrupção. “Há prova, acima do razoável, de que o ex-presidente foi um dos principais articuladores, se não o principal, do esquema de corrupção na Petrobras.”

Contudo, Gebran negou o recurso do Ministério Público Federal que pedia a condenação de Lula por três atos de corrupção passiva. “Considero uma única atuação de corrupção”, afirmou. Também negou a imputação de mais de um crime de lavagem de dinheiro. Segundo eles, os três atos de lavagem apontados pela acusação estão inseridos no mesmo contexto. Ele rebateu a tese da defesa do ex-presidente de que o imóvel pertence à empreiteira. “A OAS figurava como um verdadeiro laranja para esconder o verdadeiro titular da unidade [triplex].”

Voto

Gebran embasou o voto, que tem aproximadamente 430 páginas, nos depoimentos. Entre as oitivas que foram usadas está a do ex-presidente da OAS, José Adelmário Pinheiro Filho, conhecido como Léo Pinheiro. “Se houvesse quaisquer dúvidas [quanto à propriedade do imóvel], quero crer que elas sucumbem ao interrogatório de José Aldemário Pinheiro Filho”, disse. “Cabia a ele [Lula] dar suporte de continuidade ao esquema de corrupção”, acrescentou.

Ele também negou as preliminares da defesa. Gebran Neto negou pedidos relacionados, por exemplo, à suspeição do juiz federal Sérgio Moro e dos procuradores da Força-Tarefa da Operação Lava Jato, e à violação da autodefesa. Ele também negou a preliminar que pedia a gravação de vídeo não só do acusado e de testemunhas, mas também dos procuradores e do juiz. Segundo ele, as câmeras devem estar voltadas para o réu ou a testemunha e não para os demais participantes das oitivas.

O relator também indeferiu as alegações da defesa relativas a perguntas feitas às testemunhas. De acordo com ele, os questionamentos indeferidos pelo juiz de primeiro grau não dizem respeito ao processo, mas sim a eventuais colaborações que estariam sendo tabuladas.

Veja como ficou a pena dos envolvidos, segundo o voto do relator:

>> Luiz Inácio Lula da Silva: 12 anos e 1 mês de reclusão, em regime inicialmente fechado, e 280 dias-multa;

>> José Adelmário Pinheiro Neto Filho: 3 anos, 6 meses e 20 dias de reclusão, em regime inicial semiaberto, e 70 dias-multa;

>> Agenor Franklin Magalhães Medeiros: 1 ano, 10 meses e 7 dias de reclusão, em regime aberto, e 43 dias-multa.

Conforme Agência Brasil

 

 

 

Foto: Sylvio Sirangelo/Divulgação/TRF4

César Mata Pires, dono da OAS morre de infarto fulminante

terça-feira, agosto 22nd, 2017

César Mata Pires, empresário baiano, dono da construtora OAS, morreu nesta terça-feira, dia 22/8, vítima de um infarto fulminante , em São Paulo. Conforme a imprensa local, César Mata Pires estava caminhando pelo bairro do Pacaembu, em São Paulo, quando teve o infarto. O fundador do grupo OAS, César Mata Pires era casado com uma das filhas do ex-senador Antônio Carlos Magalhães, Tereza Mata Pires.

 

BNDES suspende financiamentos a empreiteiras investigadas pela Lava Jato

quarta-feira, outubro 12th, 2016

bndesistoe

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anunciou nesta terça-feira (11) a suspensão de pagamento de US$ 4,7 bilhões para 25 contratos de financiamento no exterior de empresas de engenharia e construção investigadas pela Operação Lava Jato. Os repasses estão suspensos desde maio. A medida atendeu à ação civil pública movida pela Advocacia-Geral da União (AGU).

Os projetos suspensos envolvem financiamentos para exportações de serviços de engenharia das empresas Odebrecht, OAS, Queiroz Galvão, Camargo Corrêa e Andrade Gutierrez para países como Argentina, Cuba, Venezuela, Guatemala, Honduras, República Dominicana, Angola, Moçambique e Gana.

Ao todo, 47 contratos do banco com as construtoras serão revisados, num total de US$ 13,5 bilhões em financiamentos. Desses, 25 projetos já estavam contratados, num total de R$ 7 bilhões – dos quais US$ 2,3 bilhões já haviam sido liberados antes da suspensão.

Na ação, a AGU recomendou que o BNDES fizesse uma avaliação de crédito antes de continuar apoiando a exportação de serviços de engenharia, tendo em vista a percepção de aumento de risco nos negócios com as empreiteiras envolvidas na Lava Jato.

Foto: Agência Brasil

Moro aceita denúncia da Lava Jato contra Lula, Marisa e mais seis acusados

terça-feira, setembro 20th, 2016

Ex-presidente Lula participa da  5ª Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

O juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba, Sérgio Moro, aceitou nesta terça-feira, dia 20/9, denúncia apresentada pela força-tarefa da Operação Lava Jato contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a mulher dele, Marisa Letícia da Silva, e outras seis pessoas. Com a decisão, todos viram réus nas investigações.

Na denúncia, apresentada na semana passada, o procurador da República Deltan Dallagnol, chefe da força-tarefa, disse que Lula era o “comandante máximo do esquema de corrupção identificado na [Operação] Lava Jato”. O ex-presidente foi denunciado à Justiça Federal por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Segundo os procuradores, Lula recebeu R$ 3,7 milhões de propina de empresas envolvidas no esquema de corrupção da Petrobras, por meio de vantagens indevidas, como a reforma de um apartamento triplex no Guarujá (SP),e pagamento de despesas com guarda-volumes para os objetos que Lula ganhou quando estava no cargo. As vantagens teriam sido pagas pela empreiteira OAS.

Após a divulgação da denúncia, os advogados de Lula afirmaram que as acusações fazem parte de um “deplorável espetáculo de verborragia da manifestação da força tarefa da Lava Jato”.

“O MPF elegeu Lula como maestro de uma organização criminosa, mas esqueceu do principal: a apresentação de provas dos crimes imputados. “Quem tinha poder?” Resposta: Lula. Logo, era o “comandante máximo” da “propinocracia” brasileira. Um novo país nasceu hoje sob a batuta de Deltan Dallagnol e, neste país, ser amigo e ter aliados políticos é crime”, argumentou a defesa.

Também foram denunciados pelo MPF o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, e o ex-presidente da OAS Léo Pinheiro, além de Agenor Franklin Magalhães Medeiros, Paulo Roberto Valente Gordilho, Fábio Hori Yonamine e Roberto Moreira Ferreira, todos ligadas à empreiteira.

 

Foto/fonte: Agência Brasil

 

 

 

Ministro manda desbloquear de R$ 2 bilhões da OAS

sábado, setembro 10th, 2016

untitled-107

Olha aí. O ministro Marco Aurélio Mello do Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou o desbloqueou de R$ 2 bilhões da construtora OAS que estavam indisponíveis por uma decisão do Tribunal de Contas da União (TCU). No dia 1º de setembro, Marco Aurélio determinou o desbloqueio de R$ 2 bilhões 104 milhões da Odebrecht.

Na ação, a OAS argumentou que o tribunal não poderia efetuar o bloqueio sem comprovação de danos e sem garantir direito de defesa por parte da empresa. Além disso, alegou que o bloqueio causaria “sérios prejuízos” à empresa e aos mais de “50.000 empregos gerados pelo grupo”.
Marco Aurélio questionou o poder do TCU para bloquear bens de empresas particulares e concordou que a medida coloca em risco a própria sobrevivência da construtora, que está em recuperação judicial.
Foto: Divulgação

 

Em 2014, campanha de Rui Costa teria recebido dinheiro de corrupção na Petrobras, diz revista

domingo, março 6th, 2016

ruicosta

Vixe. Na eleição de 2014, a campanha do governador Rui Costa (PT), teria recebido recursos desviados da Petrobras, no esquema investigado pela Operação Lava Jato. Segundo reportagem da revista Veja, foi apreendida uma nota fiscal que indica repasse de R$ 255 mil da OAS para a empresa Pepper Comunicação, prestadora de serviços da campanha. Conforme a publicação, há evidências de que a transação foi uma simulação de prestação de serviço para liquidar as dívidas de campanha do PT no estado. A denúncia sugere conexões do escândalo do petrolão com a Bahia, que foi governada pelo atual ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, quem indicou o atual ministro da Justiça, o baiano Wellington Lima e Silva. Segundo a publicação, o magistrado é famoso no estado por longa lista de serviços prestados ao PT e a Wagner. 

 

Foto: Hora do Bico

 

Para Dilma, “Lula é objeto de grande injustiça”

domingo, fevereiro 14th, 2016

Brazilian President Dilma Rousseff gestures during signing of agreements South Korean President Park Geun-hye at the Planalto Palace in Brasilia, Brazil, on April 24, 2015. Park is on a 12-day South America tour, which also includes Colombia, Peru and Chile. AFP PHOTO/EVARISTO SA

No Rio de Janeiro, na manhã deste sábado, dia 13, a presidente Dilma Rousseff afirmou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é “objeto de grande injustiça”, em referência às denúncias de ocultação da propriedade de um apartamento triplex no Guarujá (SP) e de que a empreiteira OAS, investigada na Operação Lava Jato, fez a reforma de um sítio em Atibaia (SP) frequentado por ele e por familiares.

Foi a primeira vez que a presidente se manifestou sobre o assunto. Na manhã deste sábado, ela participou no Rio de ações da campanha nacional de combate ao mosquito Aedes Aegypti. Na noite anterior, esteve em São Paulo, onde se reuniu por cerca de duas horas com Lula. Segundo afirmou, a reunião “foi como sempre foi”.
“Converso sistematicamente com o presidente Lula. Acho que ele está sendo objeto de grande injustiça. Respeito muito a história do presidente Lula e tenho certeza que esse será um processo que será superado porque eu acredito que o pais, a América Latina e o mundo precisam de uma liderança com as características do presidente Lula”, declarou, conforme o site G1

Deputado Herzem Gusmão diz que não recebeu dinheiro da OAS

quinta-feira, janeiro 21st, 2016
E aí? Em uma das mensagens trocadas entre Geddel Vieira Lima (PMDB) e Leo Pinheiro, então presidente da OAS, divulgadas no relatório da Polícia Federal nesta quarta-feira, dia 20, pelo jornal O Globo, há um pedido de recursos para a campanha de Vitória da Conquista em 2012. O candidato na ocasião pelo PMDB foi o deputado estadual Herzem Gusmão.
Herzem não recebeu dinheiro diretamente da empreiteira, contudo, o diretório estadual do PMDB repassou R$ 575 mil dos R$ 743,529 totais arrecadados na campanha. A OAS doou ao diretório R$ 300 mil. Na eleição de 2012 não havia ainda o registro do rastro do recurso, ou seja, não é possível identificar se parte do dinheiro repassado pela direção estadual para a campanha de Herzem era do montante recebido pela OAS.
“Nós não recebemos dinheiro da OAS. O que recebemos foi do diretório estadual. Há ai também uma outra informação importante porquê doação é diferente de propina. Não foi propina. Precisamos entender que uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa. Não dá para fazer ilação com o que não existe”, afirmou Herzem.
Nas descrições publicas pelo O Globo, Pinheiro demonstrou ter concordado em doar, mas ressalvou que o ex-governador Jaques Wagner, ministro da Casa Civil, também atuava na cidade. Nas prestações de conas do prefeito Guilherme Menezes, candidato naquela oportunidade pelo PT, não há registros de doação da empreiteira.
Guilherme recebeu R$ 807,990 dos R$ 865,990 arrecadados na campanha do comitê financeiro único. O comitê recebeu R$ 450 mil da direção estadual do PT. Mas não a registros de doações da OAS na prestação de contas do diretório estadual do PT.
Foto/Reprodução

Zé Neto sobre Geddel: “Temos que ter muita ponderação”

quinta-feira, janeiro 21st, 2016

zeneto

Xi. Ao governo dos ataques da oposição, o deputado estadual e líder do governo, Zé Neto (PT), comentou a troca de mensagens interceptadas pela Polícia Federal (PF) entre o presidente estadual do PMDB da Bahia, Geddel Vieira Lima, e o empresário Leo Pinheiro da empreiteira OAS em favor de recursos para a prefeitura de Salvador e para campanhas eleitorais de 2012 e 2014.

“Temos que ter muita ponderação. Eu prefiro nesse momento me reservar, esperar os fatos, e não fazer estripulia nem pirotecnia em cima de situações que às vezes não vão dar em nada. O povo quer mais respostas para os problemas do que picuinha de política”, afirmou.
Foto: Divulgação

Geddel atuou junto com a prefeitura de Salvador para a OAS, afirma jornal

quarta-feira, janeiro 20th, 2016

geddel5

Êta. O presidente do PMDB na Bahia e ex-vice-presidente de Pessoa Jurídica da Caixa, Geddel Vieira Lima, teria atuado no banco, na Secretaria da Aviação Civil da Presidência e junto à prefeitura de Salvador para atender a diferentes interesses da construtora OAS, de acordo com informações divulgadas pelo jornal O Globo. Em outra frente, Geddel fez pedidos de recursos à empreiteira para campanhas de aliados no interior da Bahia e para sua própria candidatura ao Senado em 2014 pelo PMDB, quando foi derrotado na disputa. Além do lobby dentro do governo, Geddel pediu emprego na OAS para um diretor da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) — autarquia do Ministério da Integração Nacional — que havia sido demitido três meses antes.

Ainda de acordo com a publicação, numa intensa troca de mensagens com Léo Pinheiro, então presidente da OAS, Geddel fez referências como “a solução nos contempla” (a respeito do aumento das chances da OAS de participar de concessões de aeroportos). A dobradinha de Geddel e Pinheiro aparece com detalhes em relatório da Polícia Federal que relata as mensagens de celular encontradas em dois celulares do empreiteiro apreendidos num mandado de busca. O documento detalha torpedos e menções a 29 políticos.
A reportagem revela que as mensagens trocadas entre Geddel e o empreiteiro são as mais explícitas dentre as transcritas no relatório da PF. Só se comparam às conversas envolvendo o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Geddel é presidente do PMDB na Bahia e um dos principais defensores no partido do impeachment da presidente Dilma Rousseff. Foi ministro no governo Lula entre 2007 e 2010 e vice-presidente da Caixa entre 2011 e 2013.
No relatório, a PF afirma: “Geddel aparece em algumas oportunidades solicitando valores para Léo Pinheiro, em especial relacionado ao termo ‘eleição’ e outros apoios. Já Léo Pinheiro demonstra ver em Geddel um agente político que pode ajudar na relação da OAS com órgãos e bancos (Caixa, por exemplo)”.
Foto: Reprodução

MK responde suposta citação em mensagens de Wagner e presidente da OAS

quinta-feira, janeiro 7th, 2016

IMG_6267.JPG

Mário Kertész respondeu a suposta citação de seu nome numa troca de mensagens entre Leo Pinheiro, presidente da construtora OAS, e o ministro chefe da Casa Civil, Jaques Wagner, em 2012, quando este era governador da Bahia.

MK deixou claro que não tem o que explicar, uma vez que não fez parte de nenhum dos diálogos. “Na realidade, eu não tenho que responder nada, porque nessas conversas, em momento nenhum, há alguma mensagem enviada por mim ou para mim. São conversas entre outras pessoas que supostamente são a meu respeito, e de uma forma, ainda assim, cifrada”, declarou. Conforme Metro 1

 

Foto: Divulgação/Metropress

PF apreende documentos na casa de dirigente da OAS em Salvador

sábado, dezembro 12th, 2015

pf

Não corre ninguém. A Polícia Federal na Bahia cumpriu um mandado de busca e apreensão da Operação Vidas Secas no apartamento de um dirigente da OAS, no condomínio Alphaville, na avenida Paralela, em Salvador, na manhã de sexta-feira,  dia 11.

No local foram apreendidos documentos, que já foram encaminhados para a superintendência da PF em Pernambuco, que comandou a operação deflagrada para desarticular um esquema de superfaturamento de obras para a transposição do Rio São Francisco. O nome do dirigente da empreiteira que morava em Salvador não foi divulgado.

A polícia informou que ninguém foi preso no cumprimento da operação na Bahia. Segundo o G1,   assessoria da OAS, que ficou de se posiisonar sobre o caso.

 

 

 

 

 

Foto:Reprodução

Presidente da OAS é preso em operação da Polícia Federal

sexta-feira, dezembro 11th, 2015

IMG_5790.JPG

Vixe. O presidente da construtora OAS, Elmar Varjão, e outros três executivos da Coesa Engenharia, Barbosa Melo e Galvão Engenharia foram presos temporariamente nesta sexta-feira, dia 11, durante a operação Vidas Secas da Polícia Federal que investiga superfaturamento em obras da transposição do Rio São Francisco.

Os nomes dos executivos não foram divulgados pela PF, mas a Folha de S. Paulo apurou que Varjão foi detido em São Paulo. A prisão temporária, com prazo de cinco dias, foi um desdobramento da Operação Lava Jato.

De acordo com investigadores, os empresários utilizaram empresas de fachada para desviar pelo menos R$ 200 milhões. Os contratos investigados, até o momento, são de R$ 680 milhões.

Em entrevista coletiva na sede da PF em Pernambuco, os investigadores confirmaram que as empreiteiras utilizaram as empresas do doleiro Alberto Youssef e do operador Adir Assad para maquiar dos desvios. Dentre elas a MO Consultoria, de Youssef, e a Legend Engenheiros, que pertence a Assad. Ambos estão presos em Curitiba. O doleiro relatou os pagamentos de suborno pela OAS em seu acordo de delação premiada.

A PF apontou também a participação da empresa JD Consultoria, pertencente ao ex-ministro José Dirceu (PT). Todos foram alvos da Operação Lava Jato e estão presos por participarem do esquema de corrupção na Petrobras.

As informações são da Folha de S. Paulo

 

Foto: Reprodução

Sobre capa da Veja: ‘prisão de Lula é questão de tempo’, diz Aleluia

sábado, abril 25th, 2015

20150208-062624.jpg

O deputado federal José Carlos Aleluia (DEM-BA), afirma que a reportagem da revista Veja desse final de semana que aborda a possibilidade da delação premiada de Leo Pinheiro, presidente da OAS, atingir o ex-presidente Lula, prova que a prisão do petista é questão de tempo. A publicação promete revelar, na edição que deve ir às bancas no dia 29, “os novos tentáculos da Operação Lava Jato” em que, pela primeira vez, o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT), é citado diretamente no esquema que desviou bilhões da Petrobras.

O parlamentar democrata aproveitou o ensejo para dizer que Lula extorquiu empreiteiros envolvidos no caso de corrupção na estatal. “A extorsão de Lula aos empreiteiros investigados no Petrolão envolveu até mesmo a ampliação do sítio do ex-presidente. O espaço é suficiente para construir cinquenta celas iguais à que Lula deve morar se a Lava Jato continuar seguindo a trilha do grande chefe. Enquanto na Petrobras licitações eram feitas para que obras se arrastassem, na reforma do sítio de Lula esquema era em três turnos”, acusou.
“A Veja prova que, se alguns desses presos abrir o bico, a prisão de Lula é uma questão de tempo e ele sabe disso. Já está se preparando. Não é à toa que Lula já está divulgando vídeo mostrando sua preparação para correr. Como é covarde, vai fugir igual ao compadre Pizzolato”, ironizou o deputado.
Foto: adelsoncarvalho.com.br

Donos da OAS e Camargo Corrêa estariam blindados na Lava Jato, diz site

quarta-feira, abril 8th, 2015

Pressão, pressão. Na gigante Camargo Corrêa, dois executivos foram presos e agora usam tornozeleiras, mas ninguém menciona que a empreiteira tem três controladoras: as irmãs Rosana, Renata e Regina, herdeiras do fundador Sebastião Camargo, falecido em 1994. Por serem acionistas, podem ter sido beneficiadas por dividendos do petrolão. Mas, como elas, escapa a maioria dos donos de empresas do cartel da Petrobras.

Segundo o site Diário do Poder, uma intrincada estrutura mantém as irmãs Camargo longe da empresa, onde são representadas pela holding Participações Morro Vermelho.

A Lei Anticorrupção, que Dilma só regulamentou depois do bafo na nuca dos protestos do dia 15, prevê punição para donos de empresas. Executivos da OAS como Leo Pinheiro, outra enrolada no Petrolão, estão presos há meses. Mas não se fala nos donos da empresa.

Dono da OAS, Cesar Mata Pires não é citado na Lava Jato e sim na lista de bilionários da Forbes em 2014 pela fortuna pessoal de R$ 3,6 bi.

 

Foto: Reprodução

 

STJ nega liberdade a Fernando Baiano e empreiteiros da OAS

sábado, dezembro 27th, 2014
Continua na grade. O presidente do STJ (Superior Tribunal de Justiça), Francisco Falcão, negou nesta sexta-feira, dia 26, pedido de liberdade feito pelos advogados do empresário Fernando Soares, conhecido com Fernando Baiano, e de mais dois presos ligados à empreiteira OAS. Além de não encontrar ilegalidade na decretação das prisões, o ministro entendeu que, conforme jurispridência do STJ, a gravidade do ato dos investigados justifica a prisão cautelar.
Todos foram presos na operação Lava Jato e estão na Superintendência da PF (Polícia Federal) em Curitiba.
Além do empresário, tiveram pedido de liberdade negado o presidente da OAS, José Aldelmário Filho, e Mateus Coutinho de Sá Oliveira, funcionário da empreiteira.
De acordo com o MPF (Ministério Público Federal), a OAS e outras empresas investigadas na operação Lava Jato participavam de um “clube” para acertar quem venceria licitações com a Petrobras. Seis pessoas ligadas à OAS já se tornaram réus em ações penais na Justiça Federal em Curitiba.
Fernando Baiano (que é alagoano), é acusado de cobrar propina para intermediar a compra de equipamentos para a Petrobras. No entanto, seus advogados negam as acusações de negócios ilícitos com a estatal.
Segundo o juiz federal Sérgio Moro, responsável pelas investigações, há provas de que Soares recebeu “valores milionários em contas no exterior”.
Soares também nega ter relações com o PMDB.  Em depoimento de delação premiada, o doleiro Alberto Youssef disse que o investigado arrecadava propina para o PMDB, por meio de contratos com a Petrobras.
Foto: Reprodução