Posts Tagged ‘operação pf’

Prefeito deve ser afastado do cargo após operação da PF

terça-feira, setembro 15th, 2020

E aí? O prefeito da Cidade de Jequié, interior da Bahia, Sérgio da Gameleira deve ser afastado do cargo nesta terça-feira 15/9, após a Operação Guia de Papel da Polícia Federal. Ao todo, são cumpridos dez mandados de busca e apreensão e seis de medidas cautelares diversas da prisão. Os mandados foram expedidos pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região. Intitulada Guilda de Papel, a operação combate crimes de fraude à licitação, fraude a direitos trabalhistas e desvio de verbas públicas na prefeitura de Jequié.

De acordo com a PF, as investigações começaram em 2019 a partir de denúncias feitas por vereadores. Segundo os edis, uma “Cooperativa” teria vencido uma licitação para o fornecimento de mão de obra terceirizada para prestação de serviço para diversas secretarias do município de Jequié. No entanto, a aludida “Cooperativa” na verdade seria uma empresa intermediadora de mão de obra, travestida de Cooperativa. A tal entidade estaria cobrando do município valores bastante superiores aos pagos para os prestadores de serviço, inclusive verbas fictícias, além de estar cobrando pela prestação de serviços de pessoas que jamais teriam integrado os quadros da Cooperativa. 

Ainda de acordo com a PF, uma análise do Pregão Presencial 016/2018 apurou que o município celebrou com a “Cooperativa” um contrato de R$ 29,2 milhões para o fornecimento de profissionais para todas as secretarias do município.

Fotografia/Fonte: Polícia Federal

Paulinho da Força é alvo de operação que investiga crime eleitoral

terça-feira, julho 14th, 2020

A Polícia Federal (PF) cumpre sete mandados de busca e apreensão na manhã desta terça-feira, dia 14/7, como parte da investigação contra o deputado Paulo Pereira da Silva (SD-SP) por crimes eleitorais. As ações estão sendo feitas em São Paulo e Brasília, pela chamada Operação Dark Side a primeira fase da Operação Lava Jato em conjunto com a Justiça Eleitoral.

Segundo as investigações, existem indícios de que Paulo Pereira, o Paulinho da Força Sindical, recebeu R$ 1,7 milhão em doações eleitorais não contabilizadas em 2010 e 2012. Os pagamentos foram, de acordo com a PF, através da simulação de serviços de advogados e também em dinheiro vivo, com o apoio de doleiros. Em 2012, houve ainda, segundo a apuração policial, o repasse de dinheiro da entidade sindical ao escritório de advocacia.

As informações foram repassadas por executivos do grupo JBS em acordo de colaboração premiada com a Justiça. A quebra dos sigilos bancários e informações repassadas pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras reforçaram os indícios. Segundo as investigações, um dos sócios do escritório de advocacia usado para dissimular o recebimento dos recursos tem como um dos sócios o genro do parlamentar.

Está sendo apurada ainda a prática do crime de lavagem de dinheiro e se houve continuidade dos crimes após 2012. Os investigados na ação de hoje podem responder por falsidade ideológica eleitoral e lavagem de dinheiro.

Em nota, Paulinho disse que “desconhece os fatos apurados” e que soube das invesgitações “pela imprensa”. “Caso os mandados digam de fato respeito a alegado caixa dois dos anos de 2010 e 2012, a partir da delação da JBS, conforme notícias veiculadas, o deputado lamenta o ocorrido na data de hoje tendo em vista que já são passados 10 anos desde os fatos apontados, sendo que suas contas das eleições de 2010 e 2012 foram aprovadas regularmente pela Justiça Eleitoral”. Fonte: Agência Brasil

Fotografia: José Cruz/Divulgação/Agência Brasil

Operação Grand Bazaar investiga fraudes em fundos de pensão

segunda-feira, outubro 21st, 2019

Por determinação do Supremo Tribunal Federal, a Polícia Federal (PF) deflagrou nesta segunda-feira, dia 21/10, a Operação Grand Bazaar, visando desarticular um “esquema criminoso de pagamentos de vantagens indevidas a parlamentar federal por pessoas envolvidas em fraudes a fundos de pensão”.

Ao todo, 18 mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos em Curitiba (PR), São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília.

Segundo a PF, a investigação começou em 2018, após a colaboração premiada “de um importante operador financeiro que atuou em diversas fraudes desvendadas pelas Operações Cui Bono e Patmos”, ambas datadas de 2017.

Em nota, a Polícia Federal informou que as fraudes foram investigadas também por uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), que funcionou na Câmara dos Deputados em 2015 e 2016. Nos mandados expedidos pelo ministro do STF Celso de Melo, que estão sendo cumpridos nesta manhã, consta o nome do deputado Sérgio de Souza (MDB-PR).

Corrupção na Caixa Econômica

A Operação Cui Bono apurou esquemas de corrupção na Caixa Econômica Federal, envolvendo a liberação de mais de R$ 3 bilhões em empréstimos. Entre os denunciados estão o ex-deputado Eduardo Cunha e os ex-ministros Henrique Eduardo Alves e Geddel Vieira Lima, bem como o analista financeiro Lucio Funaro e o ex-vice-presidente da Caixa, Fábio Cleto.

Os crimes teriam ocorrido entre 2011 e 2015, período no qual Geddel Vieira Lima foi vice-presidente de pessoa jurídica da Caixa. Ex-operador financeiro de Eduardo Cunha, o analista Lucio Funaro delatou o esquema em acordo de colaboração premiada.

Já a Operação Patmos investigou uma suposta tentativa do ex-presidente Michel Temer em comprar o silêncio de Eduardo Cunha, quando já preso pela PF, de forma a evitar que ele fizesse uma delação premiada. A denúncia foi feita a partir de um diálogo com Temer, gravado por Joesley Batista – um dos donos da empresa JBS.

Por meio de nota, a PF informou que, no âmbito da Operação Grand Bazaar, foi identificado um “ciclo de lavagem de dinheiro” que envolvia a remessa de recursos desviados dos fundos de pensão para empresas de fachada nos Estados Unidos.

“Com a confirmação do recebimento de valores em contas indicadas no exterior, operadores disponibilizavam recursos em espécie no Brasil, a fim de que fossem entregues em endereços vinculados a supostos intermediários do parlamentar federal, tanto em residências em Brasília, como em hotéis em São Paulo”, diz a nota.

Cerca de 100 policiais federais cumprem os mandados judiciais nos endereços dos investigados, dentre eles autoridades públicas, beneficiários dos recursos, operadores financeiros, um advogado e empresários que teriam pago vantagens indevidas ao parlamentar em troca de proteção na citada CPI. Foto: Agência Brasil

Foto: Reprodução

PF apreende ambulância e caminhões com cigarros contrabandeados

sexta-feira, junho 7th, 2019

A Polícia Federal (PF) no Paraná realizou de quinta-feira, dia 6/6, para sexta-feira, dia 7/6, várias apreensões de veículos com carregamento de cigarros contrabandeados do Paraguai. A primeira delas, ocorreu na noite dessa quinta-feira na PR-491, perto de Marechal Cândido Rondon.

Os policiais suspeitaram de uma ambulância e saíram em perseguição. O motorista, ao perceber a presença da PF, abandonou o veículo e fugiu através de uma plantação de milho. Ao fazer uma busca na ambulância, os agentes encontraram grande quantidade de cigarros contrabandeados do Paraguai.

Outra apreensão aconteceu na manhã desta sexta-feira na BR-163, também em Marechal Cândido Rondon. Durante uma abordagem de um caminhão-baú, com placa de Umuarama, os policiais descobriram cerca de 900 caixas de cigarros também contrabandeados do Paraguai. O motorista conseguiu fugir pela mata antes da chegada dos agentes.

Em mais uma ação hoje, também em Marechal Cândido Rondon, uma equipe da PF apreendeu mais um caminhão-baú com uma carga de 400 caixas de cigarros contrabandeados. O motorista conseguiu fugir antes que os policiais chegassem ao local onde ele abandonou o veículo.

Os dois caminhões e a ambulância e toda carga de cigarros apreendida foram levados para a Delegacia da Polícia Federal em Guaíra e, em seguida, para a Inspetoria da Receita Federal.

Foto: Divulgação/PF

Bomba: Operação da Polícia Federal apura fraudes em Salvador e Cidade do Interior

terça-feira, abril 16th, 2019

Não corre ninguém. A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira 16/4, a operação Three Hills, que tem como objetivo a repressão de fraudes em licitações e desvio de verbas públicas na Cidade de Lafaiete Coutinho, no interior da Bahia. Foram expedidos sete mandados de busca e apreensão, que serão cumpridos em Lafaiete Coutinho e Salvador, com pelo menos 30 policiais federais em atuação.

As investigações que originaram a ação foram iniciadas em 2016, após a PF receber a denúncia de que uma pessoa jurídica teria vencido todas as licitações para o fornecimento de combustível para a Cidade de Lafaiete Coutinho, entre 2010 e 2016, que pertenceria ao então gestor municipal, mas estaria em nome de “laranjas”.

Foi comprovado que o posto de combustíveis era administrado por um servidor da prefeitura, que chegou a ser responsável pela conferência do recebimento de combustíveis, em relação a dois procedimentos licitatórios. Este também foi presidente da Comissão de Licitação em um certame e pregoeiro designado pelo prefeito do município em outro certame.

Da documentação relativa às citadas licitações, foi verificado que, até 2013, os editais dos certames foram publicados apenas no Diário Oficial do Município de Lafaiete Coutinho e, por consequência, só se apresentavam aos Pregões Presenciais a empresa investigada. Embora se tratasse de modalidade que deve garantir ampla concorrência, com participação mínima de três concurseiros, só aparecia a empresa investigada.

Além dos fatos anteriores, também é analisado pela PF, indícios de superfaturamento com relação ao preço do combustível comercializado pelo posto para este município em questão. Os responsáveis pelas condutas delitivas investigadas serão indicados pela prática dos crimes previstos no art. 1º, inciso I do Decreto-Lei nº 201/67 (apropriar-se de bens ou rendas públicas, ou desviá-los em proveito próprio ou alheio), no art. 288 do Código Penal (associação criminosa e nos arts. 90 (frustrar ou fraudar) e 96 (fraudar, em prejuízo da Fazenda Pública), inciso I da Lei nº 8.666/93.

O nome desta operação remete à tradução para o idioma inglês do antigo nome de Lafaiete Coutinho (Três Morros).

 

 

 

Foto: Divulgação | PF

Polícia Federal faz buscas em imóveis de Aécio Neves; operação tem mandados na Bahia

terça-feira, dezembro 11th, 2018

Vixe. Equipes da Polícia Federal e do Ministério Público Federal cumprem, na manhã desta terça-feira 11/12, mandados de busca e apreensão em imóveis do senador Aécio Neves (PSDB) e da irmã dele, Andréa Neves, no Rio de Janeiro e em Minas Gerais.

Segundo informações da imprensa, a operação também mira outros alvos, como o deputado federal e presidente do partido Solidariedade, Paulinho da Força, a deputada federal Cristiane Brasil (PTB) e empresários que, segundo promotores, teriam emitido notas fiscais frias para Aécio.

De acordo com a PF, Aécio teria comprado apoio político do Solidariedade por R$ 15 milhões, e empresários paulistas ajudaram com doações de campanha e caixa dois por meio de notas frias.

A operação também cumpre mandados na Bahia, em São Paulo, no Rio Grande do Norte e em Brasília.

 

 

 

Foto: Reprodução

Polícia Federal deflagra operações para combater fraudes em licitações na Bahia

terça-feira, novembro 6th, 2018

Não corre ninguém. A Polícia Federal deflagrou, na manhã desa terça-feira 6/11, duas operações para combater organizações criminosas especializadas em fraudes a licitações e desvio de recursos públicos que atuam em Cidades do sul da Bahia.

De acordo com a PF, os valores repassados pelas prefeituras às empresas investigadas entre 2015 e 2017 chegam a R$ 34 milhões. As operações batizadas de “Sombra e Escuridão” e “Elymas Magus” cumprem 13 mandados de prisão preventiva e 50 mandados de busca nas Cidades de Aurelino Leal, Camamu,Ibirapitanga, Igrapiúna, Ilhéus, Itabela, Itabuna, Ituberá, Santo Antônio de Jesus, Ubaitaba e Ubatã.

Segundo os investigadores, as empresas que fraudavam as licitações não tinham “a mínima capacidade para a execução dos serviços e obras contratadas”. Segundo eles, muitas  obras não foram sequer concluídas, como creches, unidades básicas de saúde e quadras de esportes.

A PF aponta ainda que alguns suspeitos participavam do processo licitatório apenas para “tumultuar”, “ora participando dos certames para exigir propina das empresas concorrentes para que desistisse, ora fazendo ajustes prévios e combinações para vencer as licitações e posteriormente abandonar os contratos”.

Os suspeitos podem responder por participação em organização criminosa, fraude a licitação, falsidade ideológica, corrupção passiva e ativa. 

 

 

 

Foto: Agência Brasil

PF cumpre mandados contra suspeitos de superfaturar obras de estádio de futebol

terça-feira, maio 23rd, 2017

A Polícia Federal (PF) deflagrou na manhã desta terça-feira, dia 23/5, a Operação Panatenaico para investigar organização que fraudou e desviou recursos das obras de reforma do Estádio Nacional Mané Garrincha para a Copa do Mundo de 2014. De acordo com a PF, a obra, orçada em cerca de R$ 600 milhões, custou mais de R$ 1,5 bilhão. “O superfaturamento, portanto, pode ter chegado a quase R$ 900 milhões”.

Cerca de 80 policias federais cumprem 15 mandados de busca de apreensão, dez de prisão temporária, além de três conduções coercitivas, quando a pessoa é levada para depor e depois liberada. As medidas judiciais foram determinadas pela 10ª Vara da Justiça Federal no Distrito Federal (DF). Todas as ações ocorrem em Brasília e em outras cidades do DF.

“Entre os alvos das ações de hoje estão agentes públicos e ex-agentes públicos, construtoras e operadores das propinas ao longo de três gestões do governo do DF. A hipótese investigada pela Polícia Federal é de que agentes públicos, com a intermediação de operadores de propinas, tenham realizado conluios e assim simulado procedimentos previstos em edital de licitação”, diz nota da PF.

O nome da operação é uma referência ao Stadium Panatenaico, sede dos Jogos Panatenaicos, competições realizadas na Grécia antiga, anteriores aos Jogos olímpicos. A arena, utilizada para a prática de esportes pelos helênicos, é considerada uma das mais antigas do mundo.

Foto: Agência Brasil

PF prende 2 com mais de 5 kg de cocaína em aeroporto internacional

segunda-feira, dezembro 5th, 2016

image_mini-6

A Polícia Federal prendeu, entre os dias 3 e 4/12, no Aeroporto Internacional de São Paulo em Guarulhos, dois passageiros de voo internacional com mais de 5 kg de cocaína.

Um cidadão de Aruba que desembarcou em Guarulhos no sábado (3/11), proveniente de La Paz na Bolívia, foi selecionado por servidores da Receita Federal para inspeção das bagagens. Por meio do aparelho de raio-x, foi constatada a existência de substância orgânica oculta nas estruturas de uma das malas. Os policiais federais foram acionados e conduziram o passageiro para a delegacia onde foi realizada perícia na mala suspeita. Os exames periciais localizaram uma cinta envolvendo toda a mala contendo mais de 3 kg de cocaína. O homem, de 49 anos, disse aos policiais que iria embarcar em Viracopos, Campinas, com destino a Suíça, onde deveria entregar a mala.

No domingo (4/11), foi presa uma mulher serraleonense, que havia sido beneficiada pela Lei do Refúgio. Ela levava sob suas vestes mais de 1 kg de cocaína, que deveria ser entregue em Joanesburgo, na África do Sul. Esta é a 56ª solicitante de refúgio presa este ano, no Aeroporto Internacional de São Paulo em Guarulhos.

 

Foto/fonte: Comunicação Social da Polícia Federal no Aeroporto Internacional de São Paulo/Guarulhos

Operação da PF desarticula quadrilha que desviava recursos de dois ministérios

terça-feira, março 15th, 2016

Investigação teve início há três anos e envolve diretores de entidades não-governamentais, assessores e ex-políticos / Adilton Venegeroles/Ag. A Tarde/Folhapress

Êta. A Controladoria-Geral da União (CGU) e a Polícia Federal (PF) cumprem mandados de prisão para desarticular uma quadrilha que desviava recursos públicos dos ministérios da Agricultura e do Turismo. O prejuízo estimado é de R$ 4 milhões.

A investigação teve início há três anos e envolve diretores de entidades não-governamentais, assessores e ex-políticos.

A operação ocorre em Pernambuco, Ceará, Distrito Federal e Rio de Janeiro, com 13 mandados de busca e apreensão, 7 de prisão temporária e 1 de prisão preventiva.

O trabalho teve como base uma fiscalização da Controladoria Geral da União no processo de contratação de uma ONG e na execução dos convênios.

A operação verificou que recursos dos ministérios da Agricultura e do Turismo eram desviados por diretores da entidade e por um ex-assessor de um ex-deputado federal de Pernambuco, responsável pelas emendas parlamentares dos convênios.

Os crimes investigados são: formação de quadrilha, peculato ou apropriação indébita de recursos públicos e lavagem de dinheiro.

Foto: Reprodução

João Santana anuncia saída de campanha eleitoral na República Dominicana

segunda-feira, fevereiro 22nd, 2016

RTEmagicC_fcea7e9681.jpg

Olha aí. O publicitário João Santana decidiu hoje (22) deixar a campanha eleitoral de Danilo Medina, candidato à reeleição na República Dominicana. Em carta encaminhada ao comitê do Partido de La Liberacion Dominicana (PLD), Santana disse que desligou-se da campanha para retornar ao Brasil para se defender de “acusações infundadas” das autoridades brasileiras.

Santana, a  mulher, Mônica Moura, e outros investigados na 23ª fase da Operação Lava Jato, deflagrada nesta segunda-feira, tiveram prisão decretada pelo juiz federal Sérgio Moro.

Na carta, João Santana declarou que, desde a semana passada, colocou-se à disposição das autoridades brasileiras para esclarecer “qualquer especulação”. Além disso, o publicitário declarou que vai prestar as informações necessárias para “estabelecer a verdade dos fatos”.

De acordo com a defesa do publicitário, Santana e Mônica Moura vão se entregar à Polícia Federal assim que desembarcarem no Brasil.  Eles estão na República Dominicana e devem chegar nas próximas horas.

Foto: Reprodução Youtube