Posts Tagged ‘propina’

Ministro do STF manda soltar Gustavo Ferraz

quinta-feira, outubro 19th, 2017

Ganhou a liberdade. O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), ordenou a soltura do ex-diretor-geral da Defesa Civil de Salvador Gustavo Ferraz, que estava preso desde o dia 8 de setembro com o ex-ministro Geddel Vieira Lima. Ferraz está preso na penitenciária da Papuda, em Brasília.

Em sua decisão, o ministro do STF determinou que Ferraz permaneça em prisão domiciliar, não use telefone ou internet nem exerça qualquer função pública.

 Digitais de Gustavo Ferraz teriam sido encontradas em notas de dinheiro, que foram apreendidas em um apartamento no bairro da Graça em Salvador, ligado a Geddel. Na ocasião, a Polícia Federal encontrou 51 milhões de reais escondidos em malas e caixas de papelão. Segundo a Polícia Federal, o dinheiro pertence ao ex-ministro e é oriundo de propina.
Foto: Divulgação/Secom

Ex-deputado Rocha Loures é preso em Brasília

domingo, junho 4th, 2017

A Polícia Federal (PF) confirmou prendeu no sábado, dia 3/6, o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR). Ele foi preso preventivamente em Brasília e levado para a Superintendência da PF no Distrito Federal. A prisão foi solicitada na noite do sábado, dia 2/6, em mandado assinado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin,  a pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR).

O ex-assessor especial do presidente Michel Temer, Rocha Loures flagrado pela PF recebendo em São Paulo uma mala com R$ 500 mil que, segundo delações de executivos da JBS feitas no âmbito da Operação Lava Jato, seriam dinheiro de propina.

 

 

Foto: Reprodução

JBS diz ter depositado US$ 150 milhões em contas destinadas a Dilma e Lula

sábado, maio 20th, 2017

O dono do grupo JBS, Joesley Batista, disse, em depoimentos de delação premiada, que fez depósitos em contas no exterior no valor de US$ 70 milhões para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e de US$ 80 milhões para a ex-presidenta Dilma Rousseff. O valor total dos depósitos teria atingido US$ 150 milhões em 2014. As informações estão no vídeo do depoimento divulgado hoje (19) pelo Supremo Tribunal Federal (STF), depois que o ministro Edson Fachin retirou o sigilo das delações dos empresários da JBS.

Joesley Batista disse que as operações eram tratadas com o ministro da Fazenda, Guido Mantega. Segundo o empresário, o esquema começou em 2009 e o dinheiro foi usado em campanhas eleitorais.

“Quando terminou o governo Lula, ele [Guido Mantega] falou: ‘não, agora tem que abrir outra conta, essa conta aqui é da conta do Lula, agora tem que abrir uma para a Dilma’. Aí fiz uma pergunta: ‘eles sabem disso? O Lula sabe disso, a Dilma sabe disso?’ ‘Eles sabem sim, falo tudo pra eles [respondeu Mantega]'”, disse Joesley no depoimento. Segundo o empresário, em 2014 todo o dinheiro foi retirado das contas.

A ex-presidenta Dilma Rousseff classificou de “improcedentes e inverídicas” as afirmações de Joesley. De acordo com nota divulgada por sua assessoria de imprensa, Dilma não pediu financiamentos extraoficiais e, “mais uma vez, rejeita delações sem provas ou indícios”.

“Dilma Rousseff jamais tratou ou solicitou de qualquer empresário ou de terceiros doações, pagamentos e ou financiamentos ilegais para as campanhas eleitorais, tanto em 2010 quanto em 2014, fosse para si ou quaisquer outros candidatos”, diz o comunicado, acrescentando que a petista não autorizou a abertura de empresas em paraísos fiscais em seu nome ou de terceiros. “A verdade virá à tona”, encerra o texto.

Em nota, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva também se manifestou sobre as acusações. Segundo Lula, os trechos da delação premiada tratam de “supostos diálogos com terceiros” e não foram comprovados, não havendo assim “qualquer contato” com ele. Assinado pelos advogados de Lula, que novamente fazem críticas à Operação Lava Jato, o comunicado afirma que as colaborações premiadas “somente são aceitas” pelo Ministério Público se fizerem “referência – ainda que frivolamente – ao nome do ex-presidente”.

“A verdade é que a vida de Lula e de seus familiares foi  – ilegalmente – devassada pela Operação Lava Jato. Todos os sigilos – bancário, fiscal e contábil – foram levantados, e nenhum valor ilícito foi encontrado, evidenciando que Lula é inocente. Sua inocência também foi confirmada pelo depoimento de mais de uma centena de testemunhas já ouvidas – com o compromisso de dizer a verdade – que jamais confirmaram qualquer acusação contra o ex-presidente”, afirmaram, na nota. Agência Brasil

 

 

 

Foto: Divulgação

Ex-executivos da Andrade Gutierrez confirmam propina para Cabral

quinta-feira, fevereiro 16th, 2017

Em depoimento nesta quarta-feira, dia 15/2, ao juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal da Justiça Federal no Rio de Janeiro, no âmbito da Operação Saqueadores, os ex-executivos da Andrade Gutierrez Rogério Nora de Sá e Clóvis Renato Primo reafirmaram que a construtora pagou propina para participar das obras de reforma do Estádio do Maracanã, em manobra chamada de “contribuição de governo”.

A Operação Saqueadores investiga esquema de desvio de verbas públicas e lavagem de dinheiro no valor de R$ 370 milhões. Os principais acusados são o dono da Construtora Delta, Fernando Cavendish, e o contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. Além deles, foram denunciadas 21 pessoas, entre executivos, diretores, tesoureira e conselheiros da empreiteira e proprietários e contadores de empresas fantasmas criadas pelo contraventor e pelos empresários Adir Assad e Marcelo Abbud.

Foto: Reprodução

Palácio repudia acusação contra Temer feita por delator da Odebrecht

sábado, dezembro 10th, 2016

O Palácio Planalto repudiou na sexta-feira, dia 9/12, em nota, as acusações de que o presidente Michel Temer teria solicitado valores ilícitos da empreiteira Odebrecht em meio à campanha à Presidência em 2014.

Segundo o site de notícias BuzzFedd, o ex-vice-presidente de Relações Institucionais da Odebrecht Cláudio Melo Filho, em delação premiada, relatou ter entrega dinheiro vivo, em 2014, no escritório de advocacia de José Yunes, amigo e conselheiro próximo de Temer.

Em nota, o Planalto diz que todas as doações da construtora foram legais. “O presidente Michel Temer repudia com veemência as falsas acusações do senhor Cláudio Melo Filho.  As doações feitas pela Construtora Odebrecht ao PMDB foram todas por transferência bancária e declaradas ao TSE [Tribinal Superior Eleitoral]. Não houve caixa 2, nem entrega em dinheiro a pedido do presidente”, diz a nota.

De acordo, BuzzFedd, o executivo da maior construtora do país disse, no acordo firmado com a Força Tarefa da Lava Jato, que o dinheiro entregue no escritório de advocacia de José Yunes era parte dos R$ 10 milhões que Marcelo Odebrecht, presidente da empresa, resolveu destinar ao PMDB após um jantar que teve, em maio de 2014, com Michel Temer, no Palácio do Jaburu, residência oficial da vice-presidência.

O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, e os senadores Romero Jucá (PMDB-RR) e  Eunício Oliveira (PMDB-CE) também estão entre os citados na delação de Melo Filho. Agência Brasil

 

Foto: Reprodução

Cerveró vai devolver quase R$ 18 milhões aos cofres públicos

sexta-feira, junho 3rd, 2016

untitled (64)

Entregando todo mundo. Nestor Cerveró, ex-diretor da área internacional da Petrobras, vai ter que devolver aos cofres públicos quase R$ 18 milhões por sua participação no esquema de corrupção da Petrobras. Ele também deve sair da cadeia no próximo dia 24 de junho.

Segundo a imprensa nacional, a devolução dos recursos foi acertada por Cerveró em seu acordo de delação premiada com a Procuradoria-Geral da República e que foi homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). A verba inclui, por exemplo, 1 milhão de libras esterlinas mantido em bancos de Londres, R$ 9,7 milhões, além de US$ 495 mil em contas sob controle da offshore Russel em Nassau, Bahamas. Se não cumprir o acordo, poderá perder fazenda ou imóveis na zona sul do Rio.
Foi definido ainda que Cerveró só poderá ser condenado a no máximo 25 anos. Ele cumprirá um ano, cinco meses e nove dias em regime fechado na carceragem da PF e continuará a cumprir pena em casa a partir de 24 de junho. O ex-diretor da Petrobras terá que usar tornozeleira eletrônica até dezembro de 2018. Ele vai permanecer em Petrópolis, no Rio de Janeiro.
Foto: Reprodução/R7

Fernando Baiano confirma pagamentos de 4 milhões a Eduardo Cunha

quarta-feira, abril 27th, 2016

Fernando Baiano durante comissão de Ética na Câmara

Tá vendo aí? O lobista Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano (que não é baiano, e sim alagoano), confirmou pagamentos ao então deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) durante depoimento ao Conselho de Ética da Câmara na terça-feira, dia 26.

Fernando Baiano também explicou de que maneira recebeu a ajuda do presidente da Casa para cobrar uma dívida de R$ 10 milhões do lobista Júlio Camargo em troca de doações eleitorais, a partir de 2010. No acordo, inicialmente de 20% e que subiu para 50%, Cunha pressionaria Júlio por meio da comissão de fiscalização sobre contratos de empresas que Júlio representava junto à Petrobras.

Segundo Baiano, o ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa, teria informado que Júlio estava preocupado com a ameaça. Ele então propôs um acordo para pagar a dívida. A parte de Cunha seria de R$ 4 milhões e foi entregue em espécie por Baiano no escritório dele no Rio de Janeiro.

Questionado pelo advogado de Cunha, Marcelo Nobre, o lobista disse que nunca fez pagamentos ao peemedebista no exterior. Ele disse ainda que não entregou dinheiro diretamente ao deputado, e sim a pessoas ligadas a ele, como um funcionário chamado Altair.

Nobre reclamou que as perguntas dos membros do Conselho não têm nada a ver com o “objeto da causa”, que é ligado ao fato de Cunha ter mentido ou não sobre possuir contas no exterior durante a CPI da Petrobras. “Não tem como existir imputação neste momento de algo que foi suprimido”, declarou o advogado de defesa. Baiano disse que só soube de transferência internacionais de Júlio Camargo e do doleiro Alberto Youssef ao presidente da Câmara através da imprensa, mas que não fez repasses para Cunha em 2013 e 2014.

O lobista disse que conheceu Cunha durante um café da manhã em um hotel, em 2009, através de um conhecido. O peemedebista teria pedido a Baiano, em 2010, para verificar com as empresas que ele trabalhava se poderiam fazer doações para a sua campanha. Como as empresas representadas por Baiano disseram que não poderiam contribuir, o lobista teria proposto a Cunha que o ajudasse a cobrar a dívida de Camargo.

Baiano contou que possuía uma boa relação com Cunha e que eles nunca usaram o termo “propina” nas negociações, mas reconheceu que as quantias eram ilegais. “O deputado Eduardo Cunha sempre foi muito cordial comigo, sempre foi muita educado, não teve nenhuma reação abrupta, ameaça, nada disso”, contou. Ele confirmou que esteve na casa do deputado cerca de 20 vezes, geralmente aos finais de semana quando estava no Rio de Janeiro, e que também esteve no escritório de Cunha, em reuniões a sós.

 

 

 

Foto/Fonte: Estadão Conteúdo

Policial militar é preso acusado de extorsão em rodovia estadual

segunda-feira, fevereiro 8th, 2016

IMG_6900.JPG

Péssimo exemplo. Foi preso um policial militar suspeito de extorsão no domingo, dia 7, em um posto de abordagem da rodovia BA-099. Cleber de Jesus Cerqueira, lotado no Batalhão Polícia Rodoviária (BPRv), foi sob suspeita de exigir propina para liberar uma motocicleta que estava com documentação de licenciamento em atraso. Um oficial do próprio BPRv foi deslocado para apurar a denúncia e prendeu o PM em flagrante, encaminhando ele até a Corregedoria Geral da Polícia Militar. No momento da abordagem, Cleber estaria com uma corrente de ouro avaliada em R$ 900 que pertencia ao dono da motocicleta, Leandro da Silva Santos.

 

Foto: Carla Ornelas/Reprodução/GOVBA

Propina de R$ 1,3 milhão pagou reforma da casa de Dirceu

segunda-feira, agosto 3rd, 2015

Foto: Dida Sampaio

Eta.Propina de R$ 1,3 milhão pagou reforma na casa do ex-ministro José Dirceu (Casa Civil/Governo Lula), em condomínio de luxo no município de Vinhedo, interior de São Paulo. A informação consta da delação premiada do lobista Milton Pascowitch, alvo da Lava Jato. O relato do delator teve peso decisivo no decreto de prisão de Dirceu, alvo maior da Operação Pixuleco, 17.º capítulo da Lava Jato.

Pascowitch disse que contratou a arquiteta Daniela Fachini no final de 2012 e início de 2013.

LEIA O TRECHO DO DEPOIMENTO DO LOBISTA E DELATOR MILTON PASCOWITCH QUE FALA DA REFORMA DA CASA DE JOSÉ DIRCEU

“QUE também no contexto de contrapartida a JOSÉ DIRCEU, no final de 2012, início de 2013, o declarante contratou a arquiteta DANIELA FACHINI para fazer a reforma de uma casa vizinha à casa de JOSÉ DIRCEU em Vinhedo/SP, para transformá-la em escritório e moradia que ele utilizaria como seu endereço; que a casa objeto da reforma está em nome da TGS CONSULTORIA E ASSESSORIA EM ADMINISTRAÇÃO LTDA., uma empresa de JULIO CESAR DOS SANTOS, sócio minoritário da JD? QUE a arquiteta DANIELA foi a responsável pela reforma, contratando subempreiteiros e fornecedores, e os valores referentes à reforma foram pagos a ela com transferência de recursos da conta do JOSÉ ADOLFO para a conta pessoal dela, oficializadas por meio de uma doação de R$ 1.300.000,00, declarada no Imposto de Renda? QUE a origem dos recursos utilizados em tais reformas se davam no contexto de contrapartida pelo contrato de CABIMBAS II, bem como dos contratos da HOPE e PERSONAL cujas quantias o declarante eventualmente represava? QUE acredita que RENATO DUQUE não tinha conhecimento detalhado dos recursos repassados por meio das reformas, mas que tinha conhecimento que os valores beneficiavam o grupo do JOSÉ DIRCEU? QUE acredita, contudo, que RENATO DUQUE tinha conhecimento que o declarante foi o financiador da reforma do apartamento de São Paulo/SP, especificamente? […]? QUE a arquiteta DANIELA também tinha conhecimento de que a casa de Vinhedo/SP pertencia a JOSÉ DIRCEU? QUE o declarante financiou integralmente ambas as reformas? (…)”

Foto/Fonte: Estadão

Frank Aguiar nega ligação com quadrilha; Cantor teria recebido propina de traficante

terça-feira, outubro 7th, 2014

frankaguiar

Êta joça. O cantor Frank Aguiar nega as acusações de tráfico de influência envolvendo uma quadrilha suspeita de lavagem de dinheiro em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo. No inquérito policial, conversas telefônicas indicam que o cantor recebeu dinheiro em troca de favores.

A investigação sobre o caso corre desde 2011, mas Frank Aguiar, diz que tudo não passa de invenção. “Estou sendo vítima de uma armação, de um jogo sujo político. Acusações maldosas e tendenciosas, infelizmente”, afirma.

O cantor é suspeito de ligação com uma quadrilha liderada por Jaílson Lopes de Souza, o Jabá, que segundo a Justiça e a polícia teria envolvimento com o narcotráfico.
Um documento descreve uma conversa telefônica entre Jabá e um homem, que afirma que vai depositar R$ 105 mil para Frank. O cantor admite ser amigo de Jaílson, mas nega qualquer envolvimento com o crime.

A mansão de quase mil metros quadrados onde o cantor mora está no nome de Jabá. Frank Aguiar diz que a comprou do amigo e que não passou para o nome dele por causa de processos que respondia na época.

Os investigadores sustentam que Aguiar faz parte de uma rede de proteção à quadrilha, que envolveria políticos e policiais, além de outros funcionários públicos, para facilitar o esquema de lavagem de dinheiro.

O inquérito contra a quadrilha corre em sigilo. Frank, no entanto, já sabia que era investigado e tem inclusive cópia das escutas.

Foto: Reprodução
Fonte: Portal da Band

Baiano Mário Negromonte é um dos citados pelo delator do esquema de propina da Petrobras

segunda-feira, setembro 8th, 2014

20140908-090547.jpg

Bombástica. A revista Veja, em sua edição semanal, publica parte da relação dos nomes dos propineiros citados pelo ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa, em depoimento de delação premiada à Polícia Federal. Entre os que supostamente foram citados, estão os presidentes da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), além do ministro de Minas e Energia, Edison Lobão (PMDB-MA). Do Senado, Ciro Nogueira (PI), presidente nacional do PP, e Romero Jucá (PMDB-RR), o eterno líder de qualquer governo. Já no grupo de deputados figuram o petista Cândido Vaccarezza (SP) e João Pizzolatti (SC), um dos mais ativos integrantes da bancada do PP na casa.
O ex-ministro das Cidades e ex-deputado federal, Mario Negromonte, também do PP, é outro citado por Paulo Roberto como destinatário da propina. Da lista de três “governadores” citados pelo ex-diretor, todos os políticos são de estados onde a Petrobras tem grandes projetos em curso: Sérgio Cabral (PMDB), ex-governador do Rio, Roseana Sarney (PMDB), atual governadora do Maranhão, e Eduardo Campos (PSB), ex-governador de Pernambuco e ex-candidato à Presidência da República morto no mês passado em um acidente aéreo. Conforme revista Veja

Foto: Reprodução

Revista acusa deputado Bacelar de cobrar repasse de empreiteira por ajuda em contrato com a Valec

segunda-feira, julho 28th, 2014

20140728-064658.jpg

Êta. Cotado para assumir a presidência do PR em 2015, o deputado federal João Carlos Bacelar é acusado, em reportagem da revista Veja publicada neste domingo, dia 27, de pedir participação nos lucros da empreiteira mineira Pavotec Pavimentação e Terraplenagem, em troca do contrato firmado entre a empresa e a Valec, estatal responsável pela construção de ferrovias no país. A companhia está vinculada ao Ministério dos Transportes, que está sob o controle da pasta – em junho, o baiano Paulo Sérgio Passos assumiu a pasta, em substituição a César Borges, ambos republicanos. Segundo Veja, pouco antes da saída do ex-governador da Bahia, o dono da Pavotec, Djalma Diniz, procurou Borges em seu gabinete para relatar que sofria pressão para repassar parte do pagamento de contratos firmados com o MT com parlamentares. O autor da pressão seria Bacelar, que dizia falar em nome do partido e pedia o dinheiro sob alegação de que a sigla o ajudou a fechar os certames. Com isso, afirma a reportagem, o porcentual cobrado pelo republicano seria de mais de 8%, o dobro do que era solicitado por membros do partido em um esquema de propina controlado pela legenda que teria levado a demissão de seis ministros em 2011, entre eles Alfredo Nascimento (PR), titular dos Transportes. A exoneração ocorreu após a presidente Dilma Rousseff, recém-empossada, ter questionado a elevação de custos das obras do MT. “Vocês são inadministráveis e estão inviabilizando meu governo” , repreendeu Dilma. Veja revelou que a diferença referia-se ao superfaturamento dos serviços por parte das empreiteiras, que repassavam 4% à agremiação em troca dos contratos. À revista, Diniz afirmou que não pediu ajuda de políticos para conseguir o contrato, mas confirmou que inicialmente a Valec duvidou da capacidade da sua empresa em realizar o trabalho. De acordo com a reportagem, o empresário mentiu e não somente foi até a Valec, como teve encontros com parlamentares em hotéis em Brasília e nos corredores do Congresso, sendo Bacelar um dos seus maiores interlocutores. Ainda de acordo com a matéria, eles se encontraram mais de uma vez antes e depois do fechamento do contrato e uma das reuniões foi realizada em uma sala próxima ao plenário na Câmara. Fonte: Bahia Notícias.

Foto: Divulgação