Posts Tagged ‘EMPREGO’

País cria quase 278 mil empregos formais em junho

sexta-feira, julho 29th, 2022

A boa notícia. O Brasil fechou o mês de junho com um saldo de 277.944 empregos formais (com carteira assinada), segundo balanço do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Novo Caged) apresentado quinta-feira, dia 28/7, pelo Ministério do Trabalho e Previdência. O saldo de junho foi resultado de 1.898.876 de contratações e 1.620.932 desligamentos.

Já o estoque total de trabalhadores celetistas aumentou 0,67% em relação ao resultado de maio deste ano, passando de 41.729.858 para 42.013.146.

Na média nacional, os salários iniciais pagos a quem foi admitido em um novo emprego em maio foi de R$ 1.922,77. Comparado ao mês anterior, houve acréscimo real de R$ 12,99 no salário médio de admissão, uma variação em torno de 0,68%.

No acumulado do ano, foi registrado saldo de 1.334.791 empregos, decorrente de 11.633.347 admissões e de 10.298.556 desligamentos (com ajustes até junho de 2022).

Durante entrevista coletiva para apresentar os dados de junho, o ministro do Trabalho e Previdência, José Carlos Oliveira, disse que o resultado no acumulado do ano já está próximo da meta definida pelo governo para 2022.

“Tínhamos feito uma meta em janeiro de chegar ao final do ano de mais ou menos 1,5 milhão de novos empregos criados. Em seis meses já temos quase esse número. Então é possível a gente sonhar que no final do ano a gente vai ter um resultado extremamente positivo”, disse. “Via de regra, no segundo semestre de cada ano há um aquecimento na criação de novos empregos. Então, entendo sim que podemos ficar otimistas e chegaremos a um número significativo no final de 2022”, acrescentou.

Atividades

Os números mostram que, no mês de junho, os cinco grupamentos de atividades econômicas apresentaram saldo positivo, com destaque para o setor de serviços, com a geração de 124.534 novos postos de trabalho formais, distribuídos principalmente nas atividades de informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias e administrativas (65.827 postos).

O Comércio fechou o mês com 47.176 novos postos, a Indústria geral criou 41.517 postos, concentrados especialmente na Indústria de transformação, que gerou 37.986 postos. Na sequência vêm o setor de agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura, que gerou 34.460 postos. A Construção fechou o mês com 30.257 novos postos.

Trabalho intermitente e em regime parcial

Em junho, o Novo Caged registrou 23.483 admissões e 16.093 desligamentos na modalidade de trabalho intermitente, gerando saldo de 7.390 empregos criados.

No mês, 5.640 estabelecimentos contratantes e 242 empregados celebraram mais de um contrato na condição de trabalhador intermitente.

Em relação ao trabalho em regime de tempo parcial, foram registradas 19.040 admissões e 16.398 desligamentos, um saldo de 2.642 empregos. Foram registrados 8.773 estabelecimentos contratantes e 48 empregados celebraram mais de um contrato em regime de tempo parcial.

Regiões

Em junho, as 27 unidades federativas fecharam o mês com saldo positivo de empregos. Os destaques são: São Paulo, com 80.267 postos; Minas Gerais, com 31.092; e Rio de Janeiro, com 22.922 postos.

Os estados com menor saldo registrado foram o Amapá, que apresentou um saldo positivo de 869 postos; depois vêm Sergipe e Roraima que apresentaram saldo positivo de 848 postos e 529 postos, respectivamente.

Entre as regiões, a Sudeste fechou fevereiro com 137.228 novos postos. Na sequência vem o Nordeste, com 52.122 postos; Centro-Oeste, 34.263 postos; o Sul, com 31.774 postos; e a Região Norte, com 21.780 postos.

Fonte: Agência Brasil

Fotografia: Reprodução /Agência Brasil

Salvador segue líder do Nordeste na criação de empregos formais

domingo, julho 3rd, 2022

Notícia interessante. A capital baiana é líder na região Nordeste, ao registrar um acumulado de janeiro a maio deste ano, com a criação de quase 19 mil empregos formais. Só no mês de maio, foram gerados 4.326 postos de trabalho.

Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério da Economia, divulgados esta semana. A pesquisa coloca Salvador em sétimo lugar entre as capitais que mais geraram emprego, no acumulado do ano.  

Neste período, a cidade passou a contar com um estoque de quase 600 mil empregos celetistas. Os setores que mais contribuíram para este resultado foram os da construção civil, com 6.645; educação, 4.089 e saúde humana e serviços sociais, com 3.297 vagas. 

“A Prefeitura vem adotando diversas ações para intensificar a geração de emprego e renda em Salvador. Dentre elas, está o programa Treinar para Empregar, que tem como estratégia fomentar a qualificação profissional”, sinaliza a secretária de Desenvolvimento Econômico, Emprego e Renda (Semdec), Mila Paes.  

Conduzido pelo Semdec/Simm, o Treinar para Empregar tem duas frentes de trabalho. A primeira é capacitar o cidadão nas diversas carreiras, oferecendo ferramentas de treinamentos adequadas, viabilizando conhecimento e estimulando a capacidade competitiva e o fortalecimento do potencial profissional. Outra estratégia é sensibilizar empresários e empreendedores para criação de vagas, que substituam a exigência de experiência em carteira, por horas de capacitação.

Fonte: PMS

Fotografia: Jefferson Peixoto/Secom/PMS

Brasil cria 136 mil empregos com carteira assinada em março

sexta-feira, abril 29th, 2022

Emprego e renda. O Brasil fechou o mês de março de 2022 com a criação de 136.189 empregos formais, segundo balanço do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Novo Caged) apresentado na quinta-feira, dia 28/4, pelo Ministério do Trabalho e Previdência. O número é menor do que os 153.431 empregos novos gerados em março do ano passado. 

O saldo de março último foi resultado de 1.953.071 contratações menos 1.816.882 de demissões. O estoque de empregos formais, que é a quantidade total de vínculos celetistas ativos no país, encerrou março 41,2 milhões de empregados, variação de positiva de 0,33% em relação ao mês anterior. No acumulado do ano de 2022, foi registrado saldo de 615.173 empregos, decorrente de 5.820.897 admissões e de 5.205.724 desligamentos.

“Este é o terceiro mês consecutivo que verificamos um crescimento na criação de novos empregos”, destacou o ministro José Carlos Oliveira, durante apresentação do resultado. “Nos permite sonhar em um número acumulado no final de 2022 superior àquele que havíamos programado, que era cerca de um milhão de novos empregos”, acrescentou. 

Os dados mostram que saldo positivo do nível de emprego em março foi registrado em quatro dos cinco grupos de atividades econômicas. A maior parte, no total de 111.513 novos empregos, foi gerada no setor de serviços, distribuído principalmente nas atividades de informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas. 

O setor de construção civil foi o segundo que gerou mais empregos em março, com saldo positivo de 25.059 postos de trabalho, seguido pela indústria (15.260 novos empregos) e comércio, com saldo de 352. O setor de agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura teve saldo negativo de geração de empregos, com 15.995 desligamentos a mais do que contratações.   

Regiões

Em termos regionais, o mês de março teve saldo positivo de empregos em quatro das cinco regiões geográficas do país. No Sudeste, foram 75.804 novos postos de trabalho, seguido pelo Sul, com 33.601 vagas; Centro-Oeste, que gerou 33.601 empregos e Norte, com saldo positivo de 9.357 vagas. No Nordeste, o saldo da geração de empregos ficou negativo, com desligamento de 4.963 postos em relação às contratações. A explicação do ministério para o saldo negativo no Nordeste é o período de desmobilização do setor de cana-de-açúcar, especialmente nos estados de Sergipe, Pernambuco e Alagoas, com demissão de trabalhadores temporários.

Em março, 23 das 27 registraram saldos positivos na geração de empregos. Os estados com melhor resultado foram São Paulo (34.010 postos), Minas Gerais (27.452 postos) e Rio Grande do Sul (13.744 postos). Já os estados com piores saldos, em que houve mais demissões do que contratações, foram justamente do Nordeste: Sergipe (-2.502 postos), Pernambuco (-6.091 postos) e Alagoas (-10.029 postos).

Salário

De acordo com os dados do Novo Caged, o salário médio de admissão em março de 2022 foi R$ 1.872,07. O valor é menor que o registrado em fevereiro, com um decréscimo de R$ 38,72, o que equivale a uma variação de -2,03%. É o terceiro mês seguido que o salário médio de admissão vem caindo no país. 

Trabalho intermitente

Em março deste ano, o Novo Caged registrou 25.600 admissões e 18.658 desligamentos na modalidade de trabalho intermitente, gerando saldo de 6.942 empregos.

Um total de 5.382 estabelecimentos contratantes e 228 empregados celebraram mais de um contrato na condição de trabalhador intermitente.

Em termos de atividades econômicas, o saldo de emprego na modalidade de trabalho intermitente distribuiu-se por serviços (+4.842 postos), construção (+1.596 postos), indústria geral (+733 postos), agropecuária (-9 postos) e comércio (-220 postos).

Em relação ao trabalho em regime de tempo parcial, foram registradas 21.574 admissões e 16.581 desligamentos, um saldo de 4.993 empregos. Foram registrados 9.043 estabelecimentos contratantes e 107 empregados que celebraram mais de um contrato em regime de tempo parcial.

Do ponto de vista das atividades econômicas, o saldo de emprego em regime de tempo parcial distribuiu-se por serviços (+3.850 postos), comércio (+1.044 postos), indústria geral (+67 postos), construção (+38 postos) e agropecuária (-6 postos).

O saldo de emprego em regime de tempo parcial ficou assim distribuído por setor: serviços (5.615 postos), indústria geral (2.286 postos), comércio (1.167 postos), construção (241 postos) e agropecuária (209 postos).

Em março de 2022, houve ainda 22.440 desligamentos mediante acordo entre empregador e empregado, conforme regras na Reforma Trabalhista. Essas demissões envolveram 14.963 estabelecimentos, em um universo de 13.881 empresas. Houve 44 empregados que realizaram mais de um desligamento mediante acordo com o empregador, informou o Ministério do Trabalho e Previdência. 

Fonte: Agência Brasil

Fotografia: Marce,lo Casal Jr/Divulgação/Agência Brasil

Caged: Brasil cria perto de 330 mil empregos com carteira assinada em fevereiro

quarta-feira, março 30th, 2022

Emprego e renda. O Brasil fechou o mês de fevereiro de 2022 com a criação de 328.507 empregos formais, segundo balanço do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Novo Caged), apresentado na terça-feira, dia 29/3, pelo Ministério do Trabalho e Previdência.

O saldo de fevereiro foi resultado de 2,013 milhões de contratações e 1,685 milhão de desligamentos. Segundo a pasta foi o melhor resultado para o mês da série iniciada em 2010, perdendo apenas para 2021, quando o saldo foi de 397.915 postos.

De acordo com o secretário executivo do ministério, Bruno Dalcolmo, esta foi a primeira vez que o total mensal de admissões superou 2 milhões de vagas, considerando a série com declarações feitas dentro do prazo. O secretário, entretanto, destacou que o resultado não pode ser considerado estrutural e que a tendência é de redução nas contratações.

“O que vemos aqui em fevereiro de 2022 do ponto de vista das admissões é algo importante a ser notado. Pela primeira vez estamos acima de 2 milhões de contratações. É claro que não é possível se afirmar que é algo estrutural e que permanecerá nesse patamar”, disse. “Temos já registrado que é natural que se espere alguma desaceleração com relação ao nível de contratação do ano passado. É um processo natural, as empresas não continuarão contratando naquele ritmo do ano passado para sempre”, acrescentou.

Os números mostram que, no mês de fevereiro, os cinco grupamentos de atividade econômica apresentaram saldo positivo, com destaque para o setor de serviços, com geração de 215.421 novos postos com carteira assinada, distribuídos principalmente nas atividades de administração pública, defesa e seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais.

A indústria geral fechou o mês com 43 mil novos postos, concentrados especialmente na indústria de transformação, que gerou 38.575 postos. A construção fechou o mês com 39.453 novos empregos. Na sequência vêm a agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura que gerou 17.415 postos; e o comércio, com 13.219 postos.

Com o resultado de fevereiro, o estoque de empregos formais ativos ficou em 41.157.217 vínculos, uma variação positiva de 0,8% em relação ao estoque do mês anterior. No acumulado de 2022, foi saldo registrado é de 478.862 empregos com carteira assinada, decorrente de 3.818.888 admissões e de 3.340.026 desligamentos.

Salário

Os dados do novo Caged mostram ainda que o salário médio de admissão em fevereiro de 2022 foi de R$ 1.878,66. O valor é menor que o registrado em janeiro, com um decréscimo de R$ 61,14, o que equivale a uma variação de -3,15%.

Trabalho intermitente

Em fevereiro, o novo Caged registrou 25.396 admissões e 16.568 desligamentos na modalidade de trabalho intermitente, gerando saldo de 8.828 empregos.

Foram 5.287 estabelecimentos contratantes e 36 empregados celebraram mais de um contrato na condição de trabalhador intermitente.

“Do ponto de vista das atividades econômicas, o saldo de emprego na modalidade de trabalho intermitente distribuiu-se por: serviços (6.906 postos), construção (1.115 postos), indústria geral (422 postos), agropecuária (207 postos) e comércio (178 postos)”, informou a pasta.

Em relação ao trabalho em regime de tempo parcial, foram registradas 26.104 admissões e 16.586 desligamentos, um saldo de 9.518 empregos. Foram registrados 9.493 estabelecimentos contratantes e 158 empregados celebraram mais de um contrato em regime de tempo parcial.

O saldo de emprego em regime de tempo parcial ficou assim distribuído por setor: serviços (5.615 postos), indústria geral (2.286 postos), comércio (1.167 postos), construção (241 postos) e Agropecuária (209 postos).

Regiões

Em fevereiro, 25 das 27 unidades da Federação fecharam o mês com saldo positivo de empregos. Os destaques foram: São Paulo, com 98.262 postos; Minas Gerais, com 36.677 novos postos; e Paraná, com 28.506 postos.

Os estados com menor saldo registrado foram o Amapá, que apresentou um saldo positivo de 158 postos; seguido de Alagoas e Paraíba que apresentaram saldo negativo, ou seja, fecharam 600 postos e 1.451 postos, respectivamente.

Entre as regiões, a Sudeste fechou fevereiro com 162.442 novos postos. Na sequência vem o Sul, com 82.898 postos de trabalho; Centro-Oeste, 40.930 postos; Nordeste, com 28.085 postos; e a Região Norte, com 12.727 postos.

Fonte: Agência Brasil

Fotografia: Reprodução

Desemprego cai no Brasil, revela pesquisa do Ipea

terça-feira, setembro 28th, 2021

Se ligue. O desemprego recuou para 13,7% em junho, último mês do trimestre móvel iniciado em abril. O percentual foi atingido depois de ficar em 15,1% em março. Já a taxa de desocupação dessazonalizada, que exclui os efeitos das variações sazonais do conjunto de dados temporais de junho (13,8%), é a menor apurada desde maio de 2020.

Os números estão no estudo, divulgado na segunda-feira, dia 27/9, no Rio de Janeiro, pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Ele analisou o desempenho recente do mercado de trabalho, com base na desagregação dos trimestres móveis da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD Contínua) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e em informações do Novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério da Economia.

A pesquisa do Ipea mostrou, ainda, que o crescimento recente das contratações tem ocorrido, principalmente, em setores que empregam relativamente mais mão de obra informal. Entre eles, estão o da construção, que registrou alta anual da população ocupada em 19,6%, a agricultura (11,8%) e os serviços domésticos (9%).

Fonte: Agência Brasil

Fotografia: Reprodução

Agora: Salvador lidera geração de empregos entre as capitais do Nordeste

terça-feira, junho 8th, 2021

Boa notícia. Mesmo com a pandemia, Salvador criou 12.275 empregos no período de janeiro a abril deste ano, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério da Economia. Os dados do quadrimestre colocam Salvador em primeiro lugar na criação de empregos formais entre as capitais do Nordeste, à frente da segunda colocada Fortaleza, com 7.404 postos criados no mesmo período. 

Os números mostram que a capital baiana recuperou os 7.075 empregos perdidos durante todo o ano de 2020 e avançou com 5.200 novos postos criados. Apenas no mês de abril, foram criados 1.658 empregos formais. 

O destaque foi para o setor de serviços, com a criação de 9.155 empregos formais, sendo o segmento de Saúde Humana e Serviços Sociais o que mais contribuiu para esse resultado, com a criação de 5.336 postos formais. O cenário reflete a demanda gerada pela pandemia e pela chegada de grandes redes de saúde à capital. 

O segundo segmento que mais contribuiu para estes números positivos foi o da Construção Civil, com 2.104 novos postos. Os dados do Caged mostram ainda que a criação de emprego na cidade tem se mantido nos últimos nove meses, período em que surgiram 30 mil novos postos. 

A secretária de Desenvolvimento Econômico, Emprego e Renda (Semdec) da Prefeitura de Salvador, Mila Paes, avalia que essa geração de empregos formais dentro de um cenário tão delicado provocado pela Covid-19 é uma mostra de que a cidade está preparada para esse processo de retomada, que já aconteceu em alguns setores e deverá alcançar os demais. 

“É muito importante esse desempenho, pois temos uma população que depende muito da economia reaquecida para voltar a se restabelecer. Nesse sentido, saber que temos mais empregos gerados que perdidos durante a pandemia é um alento”, afirma a secretária. Ela ressalta ainda que a Prefeitura vai continuar desenvolvendo ações para fazer com que essa geração de empregos seja contínua e a situação econômica, de fato, avance de forma cada vez mais sólida na capital baiana.

Fotografia/fonte: Divulgação/PMS

Fábrica têxtil investe quase R$ 3 milhões em ampliação de unidade

sexta-feira, janeiro 1st, 2021

Geração de emprego. Com investimentos de R$ 2 milhões e 800 mil, a indústria têxtil Dubahia vai ampliar sua fábrica, instalada em Santo Antônio de Jesus. A empresa, que fornece matéria prima para indústria calçadista, assinou protocolo de intenções com o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE), na segunda-feira, dia 28/12. A companhia passará a produzir palmilhas e beneficiará couraças, além de aumentar a produção atual de tecidos dublados (processo de colagem entre tecidos diversos ou espumas), espumas em PU, tecidos sem dublar e dublagem a termoponto. A empresa vai manter os 46 empregos diretos e criar 17 novos.

“O setor de calçados e componentes é um dos maiores empregadores da indústria, fora da Região Metropolitana. Estamos assinando protocolo com uma empresa fornecedora de matéria prima e é importante dizer que temos aqui todas as etapas de produção do segmento. As empresas têm inovado, investido em novos produtos e tecnologias para atender às demandas do mercado”, declara o vice-governador João Leão, secretário da pasta.


“As crescentes demandas do setor e a necessidade de otimização da logística de materiais que compõem a cadeia de fornecimento foram essenciais para o start deste projeto. Poderemos atender com mais precisão os pedidos, além de contribuir definitivamente para o crescimento de uma cadeia produtiva tão importante, como a calçadista”, afirma o gerente operacional da Dubahia, André Dutra de Mattos.

Fotografia/fonte: SDE

Boa notícia: Bahia criou milhares de postos de trabalho em novembro

sexta-feira, dezembro 25th, 2020

Em boa hora. A Bahia gerou 13.881 postos de trabalho com carteira assinada em novembro de 2020, resultado que decorre da diferença entre 53.506 admissões e 39.625 desligamentos. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), da Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia, divulgados nesta quarta-feira (23) e sistematizados pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), autarquia vinculada à Secretaria do Planejamento do Estado (Seplan).

“Este é um resultado animador, pois ainda em um contexto sanitário mundial atípico, da pandemia do Covid-19, representa o maior saldo em novembro da última década. Vale destacar que a Bahia vem apresentando saldos positivos de geração de emprego com carteira assinada nos últimos quatro meses”, destaca o secretário estadual do Planejamento, Walter Pinheiro.

No acumulado de janeiro a novembro de 2020, ainda em função da influência do coronavírus, o saldo é negativo de 4.798 postos. A maioria dos setores gerou postos no mês de novembro de 2020: Comércio (+8.529 postos), Alojamento e alimentação (+2.298 postos), Informação, comunicação e outras atividades (2.200 postos), Construção (+1.047 postos), Transporte, armazenagem e correio (+973 postos), Outros serviços (+443 postos) e Indústria geral (+47 postos). Dois segmentos apresentaram saldo negativo: Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura (-1.393 postos) e Administração pública (-263 postos). Não houve registro de perdas ou criação de novos postos em Serviços domésticos.

Predominam saldos positivos na série histórica do mês de novembro (2010-2020). O resultado ficou acima do verificado no mesmo mês do ano anterior, quando 3.958 postos de trabalho foram criados, sem as declarações fora do prazo. Em novembro, o estado ocupou a segunda posição em relação à geração de posições celetistas dentre os estados nordestinos e a oitava dentre os estados brasileiros.

“Com relação aos empregos distribuídos no estado, em novembro o saldo foi positivo na Região Metropolitana de Salvador e no interior. De forma mais precisa, na RMS foram criados 9.506 postos de trabalho e no interior foram geradas 4.375 empregos com carteira assinada”, ressalta o secretário do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte, Davidson Magalhães.

Quanto ao saldo de emprego acumulado no ano de 2020, enfatiza-se o fechamento de postos de trabalho com carteira assinada na RMS (-10.303 postos), o que levou o saldo do estado a fechar negativo no período, sobrepondo o saldo positivo de posições celetistas para o interior (+5.505 postos). Em novembro de 2020, Salvador (+7.034 postos), Porto Seguro (+1.591 postos) e Lauro de Freitas (+1.116 postos) lideraram a criação de postos de trabalho formal. Fonte: SEI

Fotografia: Reprodução

Taxa de desemprego fecha o trimestre encerrado em novembro em 11%

sexta-feira, dezembro 27th, 2019

A taxa de desocupação no país fechou o trimestre encerrado em novembro em 11,2%, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O estudo, divulgado na sexta-feira, dia 27/12, considera desocupadas as pessoas que estão sem emprego, mas que buscaram efetivamente um trabalho nos 30 dias anteriores à coleta dos dados. O levantamento aponta que 11,9 milhões de pessoas compõem a população desocupada.

Segundo o IBGE, a taxa de desocupação caiu 0,7 ponto percentual no trimestre de junho a agosto, que ficou em 11,8% e foi inferior 0,4 ponto percentual em relação ao mesmo trimestre de 2018, de 11,6%.

A população desempregada teve redução em ambas as comparações, de menos 5,6%, ou 702 mil pessoas a menos, em relação ao trimestre de junho a agosto, e de menos 2,5%, 300 mil pessoas a menos, em relação ao mesmo trimestre de 2018.

Em relação à população ocupada, o levantamento mostra que são 94,4 milhões, novo recorde da série histórica iniciada em 2012. A população ocupada cresceu 0,8%, com mais 785 mil pessoas trabalhando em relação ao trimestre anterior e 1,6%, mais 1,5 milhão de pessoas, em relação ao mesmo trimestre de 2018.

“Em termos de ocupação, a gente tem o ano de 2019 com crescimentos sucessivos da população ocupada. Em novembro, a gente chega a 94,4 milhões de pessoas ocupadas com várias atividades absorvendo trabalhadores, como indústria, comércio, serviços. Isso é bastante positivo”, disse a gerente da Pesquisa Adriana Beringuy.

Carteira assinada

O número de empregados com carteira de trabalho assinada no setor privado, sem incluir trabalhadores domésticos, chegou a 33,4 milhões, crescimento de 1,1%, ou seja, mais 378 mil pessoas com carteira assinada em relação ao trimestre anterior e 1,6%, mais 516 mil pessoas, ante o mesmo trimestre de 2018. A categoria dos empregados sem carteira de trabalho assinada no setor privado, de 11,8 milhões de pessoas, ficou estatisticamente estável em ambas as comparações.

Segundo Adriana Beringuy, o aumento dos trabalhadores com carteira assinada foi impulsionado pelas contratações no comércio. “O comércio teve uma contratação importante no trimestre que se encerrou em novembro. Esta é uma época em que esse setor costuma contratar mais em virtude das datas festivas”.

De acordo com o IBGE, “o número de trabalhadores por conta própria, novo recorde na série histórica, chegou a 24,6 milhões de pessoas, e cresceu nas duas comparações: 1,2% (mais 303 mil pessoas) frente ao trimestre móvel anterior e 3,6% (mais 861 mil pessoas) em relação ao mesmo período de 2018”.

O rendimento médio real habitual de R$ 2.332 no trimestre terminado em novembro de 2019 não teve variação significativa em nenhuma das comparações.

A pesquisa também indica que 65,1 milhões de pessoas não estão trabalhando, nem procurando trabalho. Esse dado mostra estabilidade tanto em relação ao trimestre de junho a agosto de 2019 quanto em relação ao mesmo trimestre de 2018. Fonte: Agência Brasil

Foto: Reprodução

Emprego na indústria da construção alcança maior nível em sete anos

terça-feira, novembro 26th, 2019

Os indicadores de atividade e de emprego na indústria da construção brasileira alcançaram em outubro o maior nível dos últimos sete anos, revela pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgada na segunda-feira, dia 25/11. O Índice de Nível de Atividade alcançou 49,9 pontos no mês passado, semelhante ao registrado no fim de 2012, enquanto o Índice de Número de Empregados ficou em 48,5 pontos, também o mais alto desde outubro de 2012.

A pesquisa foi feita de 1º a 12 de novembro com 483 indústrias da construção – 167 pequenas, 208 médias e 108 de grande porte.

Segundo a CNI, os indicadores da pesquisa variam de 0 a 100 pontos e, quando estão abaixo de 50 pontos, mostram queda da atividade e do emprego. “Os resultados consolidam a tendência de crescimento do setor”, diz nota da confederação.

A utilização da capacidade operacional ficou em 62%, nível 3 pontos percentuais acima do o registrado há um ano e igual à média histórica do setor. Para a economista da CNI Dea Fioravante, a previsibilidade do setor aumenta em um contexto de inflação controlada e juros baixos. “Contribuindo para que os empresários fiquem mais propensos a investir e assumir riscos.”

O Índice de Confiança do Empresário da Construção (Icei-Construção) subiu para 62 pontos neste mês. Com o crescimento de 3,2 pontos em relação a outubro, o indicador está 8,4 pontos acima da média histórica, que é de 53,6 pontos. A confiança do setor aumentou, porque melhorou a percepção dos empresários sobre as condições atuais da economia.

Para os próximos seis meses, todos os indicadores de expectativas ficaram acima da linha divisória dos 50 pontos, mostrando que os empresários esperam o crescimento da atividade, do emprego, da compra de matérias-primas e de novos empreendimentos e serviços nesse período.

A disposição para fazer investimentos melhorou: o índice de intenção de investimentos – compra de máquinas e equipamentos, pesquisa, desenvolvimento e inovação de produto ou processo – aumentou para 37,9 pontos neste mês e está 5,4 pontos acima do registrado há um ano e 4,1 pontos acima da média histórica. Fonte: Agência Brasil

Foto: Antônio Cruz/Divulgação/Agência Brasil

Bahia: Cerca de 9 mil empregos são criados no agronegócio

domingo, setembro 30th, 2018

Agro dá certo. O Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho, afirmou que o número de empregos no setor agropecuário da Bahia cresceu 9,04%. De janeiro a agosto deste ano, foram criados cerca de 9 mil empregos.

Os números são positivos ainda em comparação a 2017. Entre agosto de 2017 e agosto de 2018, quase 3.600 novos empregados foram captados pelo segmento agropecuário da Bahia, significando aumento de 3,41% (3.548).

Foto: Reprodução/Incra

Emprego: Prefeitura abre mais de 300 vagas para trabalhar no Carnaval

quinta-feira, janeiro 4th, 2018

A Prefeitura iniciou nesta quinta-feira, dia 4/1, as inscrições para o processo seletivo simplificado para 301 profissionais, níveis médio e superior, para exercer atividades durante o Carnaval 2017. O candidato tem até 23h59 do dia 7 de janeiro (domingo) para se inscrever através do site  desenvolvido pela Companhia de Governança Eletrônica do Salvador (Cogel), órgão vinculado à Secretaria Municipal de Gestão (Semge).

A contratação temporária será feita por meio do Regime Especial de Direito Administrativo (Reda), para atuar nas Secretarias de Desenvolvimento Urbano (Sedur), Promoção Social e Combate à Pobreza (Semps) e de Políticas para as Mulheres, Infância e Juventude (SPMJ). As vagas são para Engenheiro Civil (15), Assistente Social (27), Psicólogo (27), Pedagogo (8), Coordenador de Unidade (8) e Educador Social (216). Os contratados vão trabalhar em turnos de 12 horas ou 10 horas dependendo do órgão e da função que vão exercer.

Foto: Divulgação

Codesal abre concurso com salário de até R$ 6 mil; confira

terça-feira, fevereiro 16th, 2016

defesa-civil-salvador-codesal-foto-agecom-divulgacao

Olha ai. A Defesa Civil de Salvador (Codesal) abriu inscrições para novo processo seletivo. Os salários variam entre R$ 2.340 e R$ 6.066. Os selecionados serão contratados pelo Regime Especial de Direito Administrativo (Reda).

São oferecidas 12 vagas de nível médio (técnico de edificações) e 20 para candidatos com o nível superior (engenheiro civil, arquiteto, pedagogo, geólogo, jornalista, assistente social e uma vaga para profissional de qualquer área). Os interessados devem se cadastrar até 28 de fevereiro no site da Fundação Professor Carlos Augusto Bittencourt (Funcab). A taxa de inscrição varia entre R$ 30 e R$ 40.

Foto: João Cardoso / Agecom

Mercado gera boas oportunidades para técnico em segurança no trabalho

segunda-feira, novembro 9th, 2015

segurança_trabalho

Segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT), ocorrem 2,34 milhões de acidentes mortais de trabalho a cada ano no mundo, mas somente 321 mil se devem a acidentes. As 2,02 milhões de mortes restantes são causadas por tipos diversos de enfermidades relacionadas com o trabalho. Um dado alarmante é que o Brasil ocupa a quarta posição no ranking mundial de mortes relacionadas a acidentes de trabalho, com 2.503 óbitos. Nesse cenário, o profissional especializado é de fundamental importância para as organizações e tem sido cada vez mais buscado pelas empresas. A implantação de práticas seguras no trabalho tem crescido dia após dia. O setor corporativo tem investido fortemente nesse campo, pois está ficando cada vez mais ciente dos danos irreversíveis que a falta de uma boa estrutura de trabalho pode causar. Evitar que acidentes aconteçam e que doenças ocupacionais surjam é o ponto alto da segurança do trabalho. No entanto, as medidas de segurança não só evitam acidentes como colaboram para a realização de um trabalho mais organizado e produtivo, uma vez que, quando implementadas, ajudam a compor um ambiente mais agradável aos funcionários, o que reflete diretamente na execução das atividades. “Todas as empresas devem seguir as normas da ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas – no que diz respeito à segurança no espaço corporativo, e cada estabelecimento possui suas próprias especificações, que são designadas por um profissional de Segurança do Trabalho”, explica Anderson Braga, sócio mantenedor do CETTPS, localizado em Camaçari. Com as empresas cada vez mais preocupadas em garantir um local de trabalho livre de riscos, as possibilidades de trabalho para profissionais dessa área têm crescido consideravelmente.

JBS suspende operação em unidade de Rondônia

sexta-feira, junho 5th, 2015

Vixe. A JBS decidiu suspender temporariamente as atividades da sua fábrica em Ariquemes (RO). Em nota, a empresa informou que a paralisação teve início na terça-feira devido “à baixa disponibilidade de matéria-prima em algumas regiões do País”.

Segundo a companhia, os 267 funcionários da empresa podem optar por transferência para outras unidades da JBS em Rondônia ou mesmo em outros Estados.(AE) Fonte: Diário do Poder

 

Foto: Reprodução/R7