Posts Tagged ‘SENAI’

Rui anuncia implantação de centro de pesquisa para monitoramento do oceano

quarta-feira, agosto 14th, 2019

Com o tema ‘Promovendo Redes de Inovação para o Nordeste Brasileiro’, o I Fórum Internacional do Meio Ambiente e Economia Azul foi aberto na manhã desta quarta-feira (14), no Senai Cimatec, em Salvador. Presente no evento, o governador Rui Costa anunciou a implantação de uma unidade do Centro Internacional de Investigação do Atlântico (AIR Centre), na capital baiana, em parceria com o governo português.

Plataforma para o desenvolvimento de atividades de investigação nas áreas do clima, terra, espaço e oceano, o AIR Centre vai receber investimentos de aproximadamente R$15 milhões e será inaugurado nesta sexta-feira (16), no Instituto de Geociências, da Universidade Federal da Bahia (Ufba).

O governador falou sobre a importância das parcerias que unem os potenciais do Brasil, principalmente do Nordeste, com a expertise de outras nações, como é o caso do Air Centre. “Para o Nordeste brasileiro, o meio ambiente tem valor, e, ao contrário do que alguns têm dito, queremos firmar parcerias para a preservação e também para a geração de emprego e renda, a partir do equilíbrio sustentável entre a utilização dos recursos naturais e a produção, seja ela agrícola, industrial ou tecnológica. Os nove estados do Nordeste estão dispostos a montar uma rede, com o objetivo de cooperar e juntar esforços a partir dos conhecimentos gerados. É isso que nós estamos buscando fazer, e esse encontro de hoje vem dar passos nessa direção”, declarou Rui.  

O centro vai reunir atividades nas áreas da observação da Terra e aplicações computacionais, incluindo o recurso a metodologias de inteligência artificial no apoio à ciência e à pesquisa para a preservação dos ecossistemas marinhos e costeiros, e para o benefício das pessoas que vivem em torno do Oceano Atlântico.

Debates

Nos dois dias de evento – o encerramento é no final desta quinta-feira (15) –, especialistas e gestores renomados de países como Estados Unidos, Portugal, Áustria, África do Sul e Gana vão dar palestras e debater em mesas redondas, assistidos por uma plateia formada por 1.200 profissionais e estudantes da área da Bahia e de outros estados brasileiros que se inscreveram no evento. 

A Economia Azul é um modelo de desenvolvimento que propõe mudanças estruturais no setor econômico, de forma a se basear no funcionamento dos ecossistemas. De acordo com o titular da Secretaria do Meio Ambiente do Estado (Sema), João Carlos Oliveira, a realização desse fórum segue a orientação do governador Rui Costa de destacar o Meio Ambiente como pauta positiva. “Este simpósio tem o objetivo de transformar desafios em oportunidades, por meio da Economia Azul. Para se ter uma ideia, o ambiente marinho representa 40% do PIB europeu e nós temos uma área costeira significativa no Brasil, sendo mais de 3.300 quilômetros somente no Nordeste”, ressaltou.

Um dos principais nomes do Fórum é Jerry Miller, que foi membro do Escritório de Política de Ciência e Tecnologia do ex-presidente Barack Obama e é referência mundial em estratégias da sociedade para mudanças climáticas e oceanos. “É um evento muito importante, pois a importância da Economia Azul tem que ser percebida globalmente. É uma honra ser convidado e participar desse evento, que é relevante não só para a Bahia, que tem uma grande costa litorânea, mas para o Brasil e todo o planeta”, destacou o americano. Também participa do evento o ministro de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Portugal, Manuel Heitor. 

Fórum

Realizado pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema) e Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema), o evento ainda tem como parceiro o The Air Center, que é diretamente vinculado ao Ministério de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Portugal. O Fórum acontece no auditório do Prédio 3 do Senai Cimatec. A instituição está localizada na Avenida Orlando Gomes, número 1845. Secom

Foto: Carol Garcia/Divulgação/GOVBA

Profissões ligadas à tecnologia serão mais promissoras, mostra Senai

segunda-feira, agosto 12th, 2019

Levantamento feito pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) mostra que as profissões ligadas à tecnologia estarão entre as mais promissoras, pelo menos nos próximos cinco anos. No período, ocupações que têm a tecnologia como base não só motivarão a abertura de novos postos de trabalho como exigirão a requalificação de parte da mão de obra hoje disponível.

Realizado para subsidiar a oferta de cursos da instituição, o Mapa do Trabalho Industrial indica que, até 2023, o Brasil terá de qualificar 10,5 milhões de trabalhadores em ocupações industriais para fazer frente às mudanças tecnológicas e à automação dos processos de produção.

Segundo o Senai, a demanda por profissionais qualificados dos níveis superior e técnico deverá criar vagas de trabalho para trabalhadores qualificados a exercer funções pouco lembradas há algum tempo. É o caso de ocupações como condutores de processos robotizados, cujo número de vagas a entidade calcula que aumentará 22% – contra um crescimento médio projetado para outras ocupações industriais da ordem de 8,5% no mesmo período.

Além dos condutores de processos robotizados, as maiores taxas de crescimento do nível de ocupação deverão ocorrer entre pesquisadores de engenharia e tecnologia (aumento de 17,9%); engenheiros de controle e automação, engenheiros mecatrônicos e afins (14,2%); diretores de serviços de informática (13,8%) e operadores de máquinas de usinagem CNC (13,6%).

Divulgado hoje (12), o Mapa do Trabalho 2019-2023 mostra que, entre as áreas que mais vão demandar formação profissional estão a metalmecânica (1,6 milhão vagas), construção (1,3 milhão), logística e transporte (1,2 milhão), alimentícia (754 mil), informática (528 mil), eletroeletrônica (405 mil), energia e telecomunicações (359 mil).

O topo do ranking por área, no entanto, deverá ser liderado pelas chamadas ocupações transversais, compreendidas como aquelas cujos profissionais estão aptos a trabalhar em qualquer segmento, como pesquisadores e desenvolvimento, técnicos de controle da produção e desenhistas industriais. Neste segmento, o Senai estima a criação de 1,7 milhão de vagas nos próximos cinco anos. Técnicos de controle de produção; de planejamento e controle de produção; em eletrônica; eletricidade e eletrotécnica e em operação e monitoração de computadores estão entre as 20 ocupações transversais que mais exigirão formação entre 2019 e 2023.

A demanda por qualificação prevista inclui o aperfeiçoamento de trabalhadores que já estão empregados e, em parcela menor (22%), aqueles que precisam de capacitação para ingressar no mercado de trabalho. Essa formação inicial inclui a reposição em vagas já existentes e que se tornam disponíveis devido à aposentadoria, entre outras razões.

O Mapa ainda indica que os profissionais com formação técnica terão mais oportunidades na área de logística e transporte, que exigirá a capacitação de 495.161 trabalhadores. A metalmecânica precisará qualificar 217.703 pessoas. De acordo com especialistas responsáveis pela elaboração do estudo, a área de logística destaca-se, entre outros fatores, pela necessidade de aumentar a produtividade por meio da melhoria dos processos logísticos.

O Mapa do Trabalho Industrial é elaborado a partir de cenários sobre o comportamento da economia brasileira e dos seus setores, projetando o impacto sobre o mercado de trabalho e estimando a demanda por formação profissional com base industrial (formação inicial e continuada), e serve como parâmetro para o planejamento da oferta de cursos do Senai. Por Agência Brasil

Foto: José Paulo Lacerda/Divulgação/CNI