Posts Tagged ‘PRESOS MORTOS’

Após chacina, briga entre presos deixa 10 mortos

segunda-feira, janeiro 29th, 2018

Bruxa solta. Uma briga generalizada envolvendo vários presos de facções rivais deixou 10 mortos na manhã desta segunda-feira, dia 29/1, na cadeia pública de Itapajé, Cidade a 125 km de Fortaleza, no Ceará.

De acordo com a Secretaria da Justiça do Ceará, o conflito foi controlado no fim da manhã por policiais e agentes penitenciários do Grupo de Operações Regionais.

De acordo com a Polícia Civil, a confusão começou por volta das 8 da manhã. Os presos serraram as grades das celas. Agentes penitenciários viram a confusão e chamaram a Polícia Militar.

A confusão ocorre dois dias depois que um bando matou 14 pessoas em uma casa de shows de Fortaleza, na maior chacina da história do Ceará e do Nordeste. A Polícia está investigando se a chacina tem relação com conflito de facções.

Foto: Reprodução

Seis presos são assassinados dentro de cadeia; alguns foram degolados

sexta-feira, abril 7th, 2017

O bicho pegou. A briga pelo poder da facção FDN, por um suposto desmembramento da ‘”Família do Norte” e, pode ter sido o motivo das seis mortes que ocorreram ao longo desta sexta-feira, dia 7/4, na Unidade Prisional do Puraquequara (UPP). A informação é de uma autoridade policial que preferiu não se identificar.

No início da tarde, a Secretaria de Administração Penintenciária (Seap) informou que houve apenas duas mortes na unidade prisional. Mas, por volta das 6 da noite, o Instituto Médico Legal (IML) confirmou seis mortos e que há a possibilidade de o número ser maior.

Cerca de 30 viaturas e uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) chegaram ao local. Pelo menos 100 homens da Ronda Ostensiva Cândido Mariano (Rocam) e da Tropa de Choque entraram na UPP e fazem a segurança do lugar.

 

 

Fotos: Reprodução/Em Tempo

Em covas rasas, mortos do presídio ocupam quadra nos fundos do cemitério

terça-feira, janeiro 17th, 2017

1061781-am_img_9045

Quinze dias após a chacina que matou 56 presos do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), parte dos corpos dos detentos mortos durante a rebelião está enterrada em uma quadra nos fundos do Cemitério de Tarumã, em Manaus, em covas rasa e túmulos simples.

É na quadra 34, fila 27, que está Gezildo Nunes da Silva. A sepultura número 1334 guarda o corpo do rapaz que, dias antes da chacina, denunciou um esquema de corrupção dentro da unidade, em que o diretor recebia propina de detentos para liberar a entrada de diversos objetos no Compaj, incluindo armas e celulares. Preso por furto, Gezildo foi assassinado aos 35 anos. Ele denunciou o esquema junto com outro detento, Alciney Gomes da Silveira, que também morreu na chacina.

A denúncia motivou a saída do diretor interino do Compaj, dias após a rebelião. Na denúncia de Gezildo e Alciney, ambos se diziam ameaçados de morte. A carta foi anexada ao processo de Gezildo no dia 14 de dezembro, para conhecimento do juiz Luis Carlos Valois, titular da Vara de Execuções Penais. Conforme Agência Brasil

 

 

Foto: Reprodução/Marcelo Camargo/Agência Brasil

Outro massacre: Rebelião deixa mais de 30 mortos em presídio; muitos foram decapitados

sexta-feira, janeiro 6th, 2017

1-19

Mais um massacre. Pelo menos 33 presos morreram na madrugada desta sexta-feira, dia 6/1, na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo, a maior do Estado de Roraima, segundo informação infa Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejuc). O governo só informou as mortes e ainda não divulgou mais detalhes

images194gvrzk

De acordo com nota da secretaria, o Batalhão de Operações Especiais (Bope) e outros policiais estão na unidade que fica na BR-174, na zona Rural de Boa Vista. Segundo a imprensa de Roraima pelo menos seis presos foram decapitados e queimados.

 

Fotos: Reprodução/Ilustrativa